Sexo Proibido


Caralho. Lembro daquela noite como se fosse ontem. A coisa aconteceu e acabou mudando algo dentro de mim. Até mesmo a percepção do tipo de pessoa que eu sou mudou e agora não tenho certeza de mais nada. Tenho que compartilhar minha história com alguém e o fato de conseguir me manter anônimo na internet é um dos pontos que me motivou a fazê-lo, pois não tenho coragem de conversar pessoalmente com ninguém. Segue abaixo meu relato:

Fomos em dois carros com quatro caras em cada um. A turma de amigos estava toda reunida e a farra seria garantida naquela noite. Beberíamos, falaríamos besteiras e mexeríamos com todas as mulheres do lugar. Certamente seria uma das noites para se lembrar por meses devido conseguirmos reunir todos de uma só vez.

Todos os oitos fizeram o ensino médio juntos, no mesmo colégio. Porém com o término do curso alguns se afastaram devido a distância de nossas casas. Por sorte eu e mais três morávamos no mesmo bairro e sempre nos víamos lembrando as aventuras do tempo de colégio. Os outros raramente conseguíamos reunir e aquela noite tinha dado tudo certo e a velha turma estava unida.

A maioria do pessoal era “pegador” e aos poucos cada um arrumou uma mulher para ficar. No final da festa todos estavam bêbados e dispostos a levar as meninas para o motel, mas como sempre, umas se negaram a ir devido a aquele papo de: “na primeira vez que ficamos não rola, deixa para a próxima”. Eu fui um dos que ficou sem mulher e sem sexo. Encostei no bar e fiquei tomando uma garrafa de água quando os outros começaram a aparecer. Da turma toda, seis ficaram na mão assim como eu.

A merda foi que dois deles conseguiram convencer suas garotas e foram embora com elas para algum motel. E justo o que me dera carona. Agora estávamos em seis para um carro. Eu é que não pegaria um táxi. Iria junto de qualquer maneira.

Na hora de ir embora o dono do carro aceitara levar todos e pediu que nós que nos acomodássemos do jeito que desse. Foi a maior folia, todos bêbados se apertando no carro eu acabei ficando por ultimo e não havia lugar mesmo para mim. Márcio, então falou que eu teria que sentar no colo dele. Foi a maior tiração de sarro, eu falei que não, mas no final tive que ceder e sentar no seu colo no banco de trás. Éramos todos amigos e achei que aquilo não faria tão mal. Ledo engano... Foi aí que tudo começou...

Após rirmos bastante, todos de tão bêbados que estavam, dormiram. Eu estava de olhos fechados, mas acordado, torcendo para chegar logo em casa, quando percebi alguma coisa se mexendo embaixo de mim. Pensei ter sido apenas um reflexo de Márcio e não liguei, mas a “coisa” se mexeu de novo e pude perceber que meu amigo estava de pau duro. Achei aquilo estranho,provavelmente Márcio estava tendo algum sonho erótico ou algo parecido. Agradeci por ele estar dormindo e eu não passar vergonha por aquela situação desagradável.

O carro ia andando tranquilamente e em um sacolejo eu me mexi e minha bunda encaixou ainda mais no pau de meu amigo. Agora eu podia sentir seu membro certinho entre minhas nádegas. Não sei por que mais achei a sensação gostosa e tive um princípio de ereção. Me surpreendi comigo mesmo. Nunca tinha pensando em homens e tenho certeza que meu negócio era mulher, mas por que a situação tinha mexido comigo?

Pensei em me ajeitar para que minha bunda sentasse somente na sua perna, mas fiquei com medo de que Márcio acordasse e percebesse a situação. Ele de pau duro e eu sentando nele. Talvez ele despertasse os outros para tirarem sarro de mim. Fiquei imóvel, esperando que logo chegasse em casa.

Sob minhas nádegas o pau de Márcio se mexeu, latejando ou incomodado com meu peso. Parecia que seu pau roçava meu ânus e que nós dois estávamos somente de cuecas, tanta era a percepção que eu tinha de seu pau. Imaginei que ele tivesse o mesmo tamanho que o meu. Agora eu já estava totalmente ereto e tive que ajeitá-lo, pois doía comprimido pela minha cueca. Quando o fiz, mexi sem querer um pouco os quadris e senti ainda mais seu pau me roçando. Um calor agora me invadia Eu estava surpreso por me sentir assim. Nunca fiz troca-troca ou tive qualquer experiência parecida. Mas eu tinha me excitado por sentir um pau duro entre minhas nádegas.

Para minha sorte chegamos em frente a minha casa. E eu rapidamente abri a porta do carro e sai antes que Márcio acordasse. Me despedi do Alex, o motorista, e fui para casa contente por ninguém mais no carro acordar e perceber alguma coisa.

Em casa, sentando na beira de minha cama, fiquei pensando no que aconteceu. A ereção se mantinha e eu não sabia o que fazer. A vontade era me masturbar imaginando novamente a situação, mas estava assustado comigo mesmo. Seria aquela a única vez que sentiria esse tesão proibido?

Continua....

Conto erótico by Rogério

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget