Enquanto Minha Mãe Não Estava... Dei Rapidinho para meu Vizinho

Blog de Contos Eróticos
Olá, voltei a este excelente blog para contar mais uma de minhas aventuras. Eu estava em casa bem tranqüila organizando minhas coisas quando me deparei com algumas fotos minhas com meu ex namorado, comecei a lembrar de algumas de nossas aventuras e fui sentindo um calorzinho que começou a se espalhar pelo meu corpo, quando percebi já estava com a calcinha molhadinha de tesão.

Deitei na cama e por cima da roupa passei a acariciar minha xoxota, aquilo estava delicioso e logo eu enterraria meus dedinhos para aumentar o meu prazer. Foi quando ouvi uma batida na porta, do outro lado minha mãe me chamava. Que saco! Odeio ser interrompida desse jeito.

Me ajeitei rapidamente e abri a porta mal humorada dizendo:

- O que é mãe? Tô arrumando minhas coisas!
- Calma mocinha, disse ela, só queria te avisar que o Bruno está aí na sala para falar com você
O Bruno era um vizinho muito gato que eu já havia ficado algumas vezes, já tínhamos transando, mas nunca havia sido nada sério. Nada de amor,só sexo! Ele foi o garoto que relatei a transa em um de meus contos....

- Eu vou passar no mercado quer alguma coisa. - minha mãe me tirou de meus pensamentos....
- Não mãe, não quero nada.
- Então tá, se comporte - disse ela saindo de casa enquanto eu chegava na sala.

Olhei para o Bruno e lhe dei um sorriso já agarrando seu pescoço e lhe dando um beijo na boca. Apesar de ter sido interrompida eu ainda estava com um tesão incrível, fazia tempo que não transava e isto estava me matando. Meu beijo não foi só daqueles superficiais, eu o beiijei com muita vontade, já passando as minhas mãos em suas costas e acariciando suas coxas.Nosso beijo demorou alguns minutos.

- Ooo , mas que recepção heim? - disse ele quando afastei meus lábios dos seus.
- Vamos logo para o meu quarto! Antes que minha mãe chegue... Tô morrendo de tesão

Apesar de surpreso, mas não querendo "negar fogo", Bruno me seguiu enquanto eu o puxava pelas mãos. Tranquei a porta do quarto por preocupação e fui logo abrindo suas calças e me ajoelhando aos seus pés. Seu pau pulou para fora das calças já duro e latejando. O abocanhei com vontade sentido o gostinho salgado daquele liquido transparente que já pingava abundantemente.

Chupei, lambi e babei naquele membro delicioso, nem das bolas eu me esquecia, lambendo uma por uma. Suguei com tanta vontade que ele não demorou a gozar na minha boca me fazendo babar com sua porra. Continuei chupando até não restar mais nada dentro dele.
- Agora é minha vez - disse ele me deitando na cama.

Tirei toda a minha roupa e ele enfiou sua cabeça entre minhas pernas. Sua língua morninha começou a acariciar minha xoxota que estava muito sensível. Logo no seu primeiro toque um tremor de tesão percorreu meu corpo todo. Gemia e agarrava seus cabelos enquanto ele me chupava. Minha mãe podia chegar a qualquer momento, então tudo tinha que ser muito rápido. A sensação de ser pega aumentava ainda mais minha vontade.

Eu estava quase gozando com sua boca, mas eu não queria que fosse assim, por isso implorei alucinada:

- Vai, me come logo! Estou louca para sentir seu pau dentro de mim.

Bruno veio por cima e logo senti seu pau quente tocando a entrada da minha buceta que estava encharcada de tanto tesão. Devido a isso seu pau deslizou para dentro como se aquele lugarzinho tivesse sido feito sob medida para ele. Que delícia esta sensação de ser penetrada, de sentir seus pentelhos encostarem no meu corpo e saber que ele estava inteiro dentro de mim. Apertei sua bunda como se quisesse que ele entrasse ainda mais em mim e cochichei no seu ouvido:

- Mete.... Mete gostoso em mim.... Eu quero que você faça com muita força.

Atendendo meu pedido ele passou a estocar com força e rapidez, eu gemia e delirava com seu corpo sobre o meu. Minha excitação era tanta que eu sentia meus líquidos molharem nossas virilhas, um calor invadiu meu corpo e foi crescendo de um jeito até explodir em um gozo incrível que me fez ir as alturas. Sentia minha xotinha mastigando seu pau em contrações involuntárias. Com isso ele também gemeu e gozou quase no mesmo instante. Eu mal me recuperava do prazer que sentira quando sua porra quente me invadiu. Ele continuou metendo e espirrando dentro de mim, eu estava sem ar com tudo aquilo.

Um barulho lá fora me tirou do estado de sonolência e cansaço, uma moleza após a transa. Vesti minhas roupas e ele também. Com meu corpo meio mole, mas ainda sentindo tesão fui ver quem estava na sala... Alarme falso! Minha mãe não chegara e o barulho tinha sido feito na rua... Será que dava tempo para mais uma rapidinha?

Conto Erotico recebido por email - by Bia Safadinha

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget