Não Aguentei o Tesão e Peguei Ela na Faculdade

Confraria dos Contos

Era fim de tarde, a noite já se levantava no campus da faculdade onde estudava aquela garota, a qual tinha visto há algum tempo, mas não consegui esquecer nem um detalhe do seu corpo moreno, dos seus cabelos escorridos, de um andar cativante, de um olhar penetrante, do jeito doce de falar com os lábios maravilhoso.

Era grande o espaço envolto da faculdade, mas eu já não agüentava a ausência da visão daquelas curvas, daquela formas arredondadas, tudo aguçava a minha imaginação e o desejo me tomava a razão, pois estava incontrolado para estar perto dela e um dia nossos olhares se cruzarem e no fogo da paixão ela se derramar em meus braços.

Naquele dia estava um clima gostoso, era um fim de tarde de calor, no entanto a brisa soprava os corpos, ao olhar de lado avistei-a vinha saltitante toda vestida de branco com o seu jaleco cumprido, escondendo todo o seu corpo esculturado, todo aquele pecado que só aumentava a cada pensamento e o desejo de tomá-la sobre os meus braços sedentos, me atirar sobre o seu desejo amenizando o meu fogo.

Ela quase do meu lado, eu não fiz por onde esconder o desejo que tomava conta do meu corpo, apenas mostrei em gestos tentando induzi-la a sentir a mesma vontade e da mesma maneira querer tomar o meu corpo em seus braços e enfeitiçar o meu desejo e travar-me em volta das suas pernas lindas e torneadas que se mostravam quando entre passos o jaleco se abria.

Ela percebeu que eu olhava e a devorava como lobo faminto atrás da sua presa, mas a minha fome era tão somente pelo desejo de sentir o seu cheiro e provocar o seu sussurro onde transportaria para o mais profunda desejo de ser possuída e de sentir muito prazer, ela então se entregou ao desejo e deixou que eu a seguisse até que os amigos que estavam com ela se afastassem e ela me conduziu até um espécie de estábulo que havia no campus da faculdade.

Como estávamos em um horário sem aula no campus a movimento era pequeno, então como fogo em gasolina nos encontramos e a essa altura eu já não me agüentava de tanto tesão ela da mesma forma foi logo com a mão e de forma avassaladora pegou o meu membro com tanta força como quem queria arrancar, por cima da calça, em seguida desabotoa a calça e sem esperar ela desse e como os seus lábios, macios e sua boca leve e umedecida começou a chupar o meu membro enlouquecida.

Eu apenas me entregava àquela sensação de prazer inesquecível, mas suavemente puxei para junto do meu corpo e comecei a beijá-la e deixava em êxtase comecei a percorrer o seu corpo com as mãos apertando deixando a cada momento em mais delírios ela afasta as pernas uma da outra me convidando a sentir o seu desejo, passei a mão por baixo da sair que usava por baixo daquele jaleco e sentiu a sua calcinha umedecida, mas quando encostei a mão ela não segurou um grito de extremo prazer.

Desabotoei o seu jaleco derrubei junto com a sua blusa e sobrou um sutiem protegendo aqueles peitos médios e pontiagudos de excitação, puxei por seu sutiam e comecei a passar a ponta da língua sucessivas vezes, até que não mais agüentando tirei e passei a chupá-los um pouco um e um pouco outro e ela segurava o meu membro fazendo o gesto de punheta para que aumentasse o me tesão.

Não agüentando mais e sentindo que ela também não agüentava mais ser provocada tirei a sua saia e ficou com aquela calcinha branca de renda transparente, eu a deitei numa bancada e puxei de lado a sua calcinha comecei a chupar e líquido do seu prazer que umedecia a cada vez mais os grandes lábios da sua xoxota, que a cada passada de língua mais umedecia e ela de lábios selados e olhos fechados se contorcia de prazer.

Então tirei a sua calcinha ela levantou da bancada e apenas segurou de frente agachando ficando de quatro, eu comecei a chupar a sua xoxota um pouco mais, depois deitei-me e ela troce o seu corpo sobre o meu quando no meia nove trocávamos prazer sucessivos, eu não agüentei e dizendo que gozaria ela não me deixou e tirando a boca do meu membro, enquanto eu continuava a massagear o seu clitóris endurecido com a língua, até que percebi que entrou em descontrole e gemendo alto e falando que gostoso, subitamente levantou e sentou sobre o meu membro num orgasmo enlouquecido, eu também logo senti que gozaria e em movimentos de busca do infinito o fogo tomou conta dos nossos corpos até nos entregar e orgasmo nos derrubar.

O nosso tempo corria no saltear do relógio e já não restava tanto tempo não poderíamos perder tempo, pois o momento era único e não poderia ser desperdiçado, ela logo procuro reanimar o meu membro que de tanto desejo logo estava ereto e seguimos nos consumido em todas as posições por mais umas duas horas até que abatidos pelo cansaço, remarcamos outras vezes e continuamos a matar o desejo que a cada dia aumenta e torna insustentável em todos os lugares que nos encontramos.

Conto erótico recebido por email – autor anônimo

1 comentários:

Anônimo disse...

Q delicia gozei gostoso agr qro gozar cm seu cacete dentro da minha buceta

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget