Viva o Graham Bell

Confraria dos Contos Eroticos
Tudo começou com telefone tocando. Estava assistindo TV de madrugada e o telefone tocou, atendi e do outro lado não falavam, embora fosse possível ouvir a respiração ofegante, assoprei no fone e como resposta uma risada feminina. Papo vai, papo vem, ela disse se chamar Rose, e que estava puta porque na primeira transa com o namorado tinha sofrido muito e não tinha gozado e perguntou se eu a faria gozar.

Claro que disse sim e dei meu telefone comercial para que me ligasse no dia seguinte, pois minha mulher poderia acordar. No dia seguinte ela ligou, então fiquei sabendo que morava em Curitiba e não no Rio como dissera antes, mas os telefonemas continuaram, até que um dia tive que ir a São Paulo e perguntei se ela não queria me encontrar lá, aceitou e nos encontraríamos no próximo final de semana.

Meu vôo atrasou e não a encontrei no aeroporto, fui para o hotel puto, certo de ter perdido a oportunidade de conhecê-la. Quando cheguei no hotel na recepção me informaram que minha esposa já havia chegado e que estava me esperando no quarto. Quando cheguei no quarto fui recebido com um grande abraço, tomei um banho e fomos jantar, bom restaurante, jantar regado a vinho para quebrar eventuais resistências futuras.

Tudo em vão, pois quando voltamos ao hotel, ela estava envergonhada e não quis tirar a roupa, começamos então uma sessão de beijos, abraços e caricias, sem querer forçar nada para não repetir o erro do, já ex-namorado, o máximo que se chegou foi ela ficar de calcinha e soutien e eu de cuecas para dormirmos. Ela retornou à Curitiba no dia seguinte e eu fui ao trabalho.

Logo providenciei uma viagem para Curitiba, ela não deixou nem que eu reservasse hotel, deixasse tudo por conta dela, só queria saber o horário que chegaria lá. Quando lá cheguei, ela estava ma esperando no aeroporto, tinha alugado um carro, e se mudado para o hotel onde ficaríamos por 3 dias.

Jantamos no hotel, e fomos para o quarto, onde tudo começou para valer, ela colocou musica e fez um strip de profissional, que maravilha, loira 1,7Om olhos castanhos peitinhos durinhos resultado de uma plástica, bundinha empinadinha, pernas roliças e grossas, uma deusa, nessa altura eu já estava de pau mais que duro e louco para entrar em funcionamento, me despi, levei-a para a cama e comecei a beijá-la de cima até embaixo, dei um banho de gato, terminando em sua perfumada e já úmida bucetinha com os pentelhinhos aparados bem baixinho, foi aí seu primeiro gozo, na minha linha que dançava ao redor de seu clitóris intumescido.

A partir daí, com a promessa cumprida, coloquei-a de quatro e pincelava sua bucetinha molhada com a cabeça do pau até que ela toda excitada pediu que parasse com a tortura e a comesse, colocando tudo de uma vez lá dentro, que ela já não agüentava mais, fui fundo, ela gozou antes de mim, aproveitei a posição e comecei a pincelar o pau no seu cuzinho, ela relutou em aceitar, então comecei a beijar sua bundinha e lamber seu cuzinho até colocar um dedo para que ela relaxasse.

Depois de uns 5 minutos de carinhos no seu cuzinho que já piscava de tanta vontade de ser penetrado, coloquei o pau na posição e fiz uma pequena pressão, lambuzado com estava a cabeça logo sumiu, um pequeno gemido me fez parar para que ela se acostumasse com o cacete no cú, mais uma pressão ele foi sumindo lá dentro até o saco bater na bucetinha, comecei a bombar até gozar, foi minha recompensa, meu primeiro gozo em uma bundinha deliciosa.

Foram três dias de muitas trepadas e muito gozo, mas tudo que é bom acaba, como ela não queria interferir em meu casamento, por mais que eu insistisse tudo terminou. Hoje procuro quem queira repetir comigo esses momentos de muito prazer.

Conto erótico recebido por email - autor anônimo

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget