Oral na Loirinha

Não sei se vocês, leitoras dos meus contos, já repararam que tenho uma leve queda por loiras. Pois é, adoro todas, mas as loiras... Irresistíveis. Gosto do tipo Suzana Werner: Loirinha, pele branquinha, bochechas rosadinhas, enfim... Bom, nesse conto, a penetração foi apenas um complemento, vou detalhar mais o que aconteceu nas preliminares.

No meu caso que sou quarentão, é essencial, pois a segunda ou terceira ereção já fica meio complicado e como a garota que transei era mais nova e muito fogosa, tive que me desdobrar nas preliminares senão, provavelmente ela não gostaria muito do nosso caso.

Não tive muita dificuldade porque ela era exatamente o tipo de mulher que adoro. Loira, 1, 55  cm mais ou menos, uns 55 kg, cabelos lisos até o meio das costas, pele clarinha, uns 27 ou 30 anos no máximo, enfim um tesão de loirinha. Como eu a conheci? Através dos meus contos, ela leu alguns, gostou da minha maneira de escrever, nos comunicamos durante algumas semanas, e... Ela mora sozinha, e como sou corretor de imóveis, foi fácil arrumarmos um motivo para que fosse em seu apartamento sem gerar desconfiança de porteiros, vizinhos e demais curiosos.

Fui fazer uma avaliação apenas. O primeiro contato ao vivo é meio constrangedor, mas assim que entrei em seu apartamento e a vi, segurei em suas mão, nos olhamos em meio a sorrisos sem graça e sem dizer uma palavra sequer, nos beijamos longamente.

Não estranhe as coisas que fizemos, pois tudo foi previamente combinado, em nossos contatos através de e-mail e encontros em salas de bate papo, sempre dissemos um ao outro o que gostamos de fazer. Pedi a ela que vestisse um vestido bem solto e decotado, adoro isso, e ela estava vestida do jeito que pedi. Nosso beijo foi muito longo, um beijo apaixonado.

Fechei a porta atrás de mim e nos agarramos, ela abriu minha camisa e passava as mãos em meu peito, nossos corpos estavam colados, nossas bocas também, colocava minha língua inteira dentro de sua boca, ela mordia, chupava e eu fazia da mesma forma. Adorei ter sua língua dentro de minha boca.

Isso me excitava demais. Nem preciso dizer que meu pau já estava estourando o zíper da minha calça. Ainda encostado na porta, ela se virou e começou a esfregar sua bundinha em meu pau. Ela me prensava forte contra a porta e rebolava bem de leve, eu acariciava seus seios por cima do vestido e beijava sua nuca, colocava minha língua em sua orelha, reparei que sua pele se arrepiava toda, ela segurava em minha cintura apertando-me contra ela.

Por cima do vestido, sentia os bicos de seus seios duros, ela começou a passar seu pezinho em minha canela me deixando doido de tesão, pois ela sabia que eu gostava disso. Segurou-me pela mão e me levou até seu quarto, nos beijamos novamente, então ela se afastou, abriu a janela de seu quarto e debruçou na janela como se estivesse olhando para fora naturalmente. Aproximei e encostei em sua bundinha deliciosa, segurei em sua cintura e fiquei a encochando delicadamente.

Ela empinava bem a bundinha e eu fazia movimentos como se estivesse transando, movimentos suaves. Ela gemia de tesão e vi que estava prestes a gozar, então me ajoelhei no chão e comecei a beijar suas pernas. Levantei seu vestido e vi sua tanga branca, deixando as polpinhas da bunda aparecendo, não resisti, beijava aquela bundinha branquinha deliciosa, passava meu rosto, a língua, e coloquei minha boca em sua bucetinha, por cima da calcinha mesmo.

Senti ela gozando, sua calcinha ficou úmida, seu corpo estremecia, só parei de chupá-la quando ela deu o último suspiro de tesão. Ela fechou a janela e deitou em sua cama ficando com as pernas para fora da cama. Lentamente tirei seu vestido deixando-a apenas de calcinha, observei seu corpo perfeito, seus seios eram lindos, durinhos, bicos rosados e não resistindo mais, comecei a chupá-los.

Deliciei-me em seus seios durante uns vinte minutos aproximadamente, minhas mãos percorriam em seu corpo, acariciava sua bucetinha, que novamente estava latejante. Seus seios não eram grandes e entrava quase todo em minha boca, mordiscava seus biquinhos rosados, fui descendo minha língua por sua barriga até chegar em sua virilha.

Ajoelhei no chão e tirei sua calcinha, sua bucetinha era vermelhinha, poucos pelos convidativa ao sexo oral, beijei seu umbigo e fui descendo novamente, abri suas pernas e dei leves mordidas em sua coxa, na parte interna bem próximo a sua bucetinha, ela segurava na minha cabeça forcando-me a chupá-la, mas desci por suas pernas, beijei cada milímetro, beijei seus pés, dedinho por dedinho, fui subindo pela outra perna até chegar em sua bucetinha.

Comecei beijando as laterais, minha loira urrava de tesão, passava a língua entre a bucetinha e o cuzinho e isso a deixava totalmente arrepiada, coloquei minha língua bem pertinho de seu cuzinho e fui subindo, passei por sua bucetinha bem devagar, abri com meus polegares seus lábios vaginais e coloquei minha língua lá dentro, nesse instante ela começou a gozar.

E eu passei a chupá-la com mais vigor, sugava seu clitóris colocando-o dentro de minha boca, ela se contorcia de tesão e cruzou suas pernas em volta de minhas costas me apertando, beijava sua bucetinha como se fosse um beijo de língua, fazia movimentos circulares, segurei em sua bunda e levantei um pouco para que ficasse de frente com meu rosto, ela delirava de tesão me pedindo para que não parasse e obedeci e chupei-a com mais gosto ainda até que ela lentamente foi se soltando e relaxando, gemia baixinho, disse que nunca tinha sido chupada tão gostoso antes.

Puxou-me pela mão e me deitou ao seu lado. Ficamos namorando um tempinho e ela me perguntou se eu não queria dar um banho nela. Topei prontamente, pois meu pau já estava quase estourando e não agüentava mais de vontade de fode-la. Entramos no banho e logo estávamos totalmente ensaboados, minhas mãos deslizavam em seu corpo, estava colado atrás dela sentindo sua bundinha roçando em meu pau e acariciando seus seios.

A espuma em nossos corpos era muito excitante, muito bom passar a mão no corpo dela, sentir toda a maciez de sua pele, o tempo todo ela acariciava meu pau e até que não resistindo mais a tanto tesão, pedi a ela para arrebitar sua bundinha e encostar na parede, pois ira fode-la em pé e fui prontamente atendido.

Segurei em sua cintura, posicionei meu pau e fui colocando bem devagar, entrou tudo, lentamente ela começou a rebolar, eu segurava em sua cintura e a puxava para trás fazendo com que meu pau a penetrasse fundo, acariciava seus seios durinhos, ela rebolava muito gostoso.

Ela me disse para comê-la da maneira que eu quisesse, pois não iria gozar naquele momento, então eu me encostei na parede e pedi que ela fizesse os movimentos.

Com meu pau todinho dentro, ela passou suas mão por trás de mim segurando em minha bunda e me apertou com força e começou a rebolar em meu pau, rebolava forte e parava, inclinava seu corpo para frente, arrebitava a bundinha e me segurava forte novamente fazendo meu pau entrar até o talo, alternava movimentos rápidos e lentos e não agüentei cinco minutos com isso e gozei, gozei como nunca, vários jatos de esperma saíram do meu pau inundando sua bucetinha loira, agarrei forte em sua cintura e cheguei até a levantá-la do chão de tanto tesão. Nos beijamos longamente e terminamos nosso banho.

Nem preciso dizer que depois disso rolou muita transa, principalmente de 4 que é uma das posições que mais gosto, um 69 delicioso, cheguei a colocar minha língua em seu cuzinho fazendo-a delirar de tesão. Mas isso foi apenas o complemento de uma preliminar que nunca mais esqueço. Também... Essa loirinha é meu sonho de consumo. Beijo a todas.

Conto erotico recebido por email by Corretor

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget