Minha Quase Irmã

Tenho um brother que é amigaço mesmo, parceiro para todas as horas, compartilhamos de uma amizade que é difícil de encontrar por ai. Este meu camarada tem uma irmãzinha muito linda. Ela tem uns dxxxxx anos e se chama Patrícia. Apesar de eu viver em sua casa nunca tive pretensões maiores a seu respeito, não que me falte interesse, mas achei que não rolaria nada comigo, afinal a conheço desde pequenininha.

Até o dia que lá estava eu, voltando da faculdade, quando vejo Paty mais linda do que nunca e toda produzida chorando próximo a sua casa. Ela usava um vestido preto que deixava parte de suas coxas a mostra, sapatos altos e os cabelos estavam lisos e soltos até a metade das costas. Decidi parar o carro e perguntar o que havia acontecido. Fazia alguns meses que ela namorava um cabação da idade dela e provavelmente tinham brigado.

Dito e feito. Assim que parei o carro e perguntei o que estava ocorrendo, ela em meio ao choro ,perguntou se eu poderia levar ela dali para outro lugar. Disse que sim ,aproveitei que estava sozinho e a levei para minha casa. Até aí eu não estava com más intenções, apenas queria levá-la para um lugar onde ela tivesse privacidade para que me contasse sua história.

Chegando em minha casa nos sentamos no sofá da sala e ela começou a chorar , dizendo que seu namorado não prestava e que tinha terminado com ele, porém seu maior problema era que ela ainda gostava dele. Terminando de contar isto ela me abraçou soluçando. Senti seus peitinhos roçando no meu peito e imaginei como eles deveriam se firmes e apetitosos. Meu pau começou a ficar duro e me incomodar, pois ficou de um jeito que estava doendo pra caramba pressionado contra a calça.

Ela ainda estava chorando abraçada a mim, e com a cabeça apoiada no meu ombro, quando percebeu o meu pau duro que fazia um volume visível. Nesse instante ela parou, levantou a cabeça e olhou nos meus olhos. Fiquei um pouco envergonhado, afinal, conhecia esta garota desde pequenininha e nunca tínhamos tido maiores intimidades ou algo parecido. Para meu espanto ela perguntou:

- Você está com seu pau duro? Por quê? Por mim? – disse minha inocente amiguinha.
- É que.... Você me abraçou e... – eu não conseguia achar uma boa resposta.

Ela, então, passou sua mão sobre meu pau o apertando delicadamente.

- Me deixa ver ele?

Eu estava morrendo de tesão por causa daquela garota e com as mãos tremendo puxei meu pau para fora que estava com a cabeça roxa e toda brilhosa, latejando de desejo. Quando ela o viu seu rosto assumiu um aspecto de admiração e com sua mãozinha macia o segurou por um instante antes de olhar para mim e perguntar:

- Posso dar um beijo nele?

Porra... – pensei comigo mesmo, não precisa nem perguntar. – concordei e ela passou a dar uns beijinhos na cabecinha, toda delicada! Que carinhosinha era esta garota, parecia que ela estava beijando um bichinho de estimação. Claro que aquilo me deixava ainda mais louco. Mas a garota não era bobinha não, pois de beijinhos delicados passou a lamber a cabeça como se fosse um sorvete, ela lambia e lambia, de cima para baixo e fazendo movimentos circulares em torno da cabeça. Eu já estava gemendo, quase gozando e avisei isto para ela:

- Se você continuar a fazer isto vou gozar na sua boca.... não estou mais agüentando...
- Segura só mais um pouco – pediu ela. Tá gostoso de fazer isto... – as lágrimas ainda molhavam seu rosto.

Me concentrei o máximo que pude e vi que valeu a pena, pois a garota colocou todo meu pau na sua boca, quase o engolindo inteiro. Agora, como uma dessas atrizes de cinema pornô , o sugava com muita habilidade colocando o pau para dentro e para fora de sua boquinha enquanto me masturbava.

Entre gemidos e com a respiração acelerada disse que estava gozando, mal tive tempo de falar e um jato de porra atingiu a sua boca, ela continuou sugando e mais um jato encheu sua boquinha. Ela o tirou rapidamente da boca para não se afogar com a abundância de liquidos e pude ver minha porra escorrer pelo pau em um terceiro jato que já saiu sem força. Nossa , nunca havia gozado tanto. E a garota engoliu o que pode ,e o que não conseguiu, vazou pelo canto de sua boca. Então pediu para ir ao banheiro se limpar.

Guardei o pau lambuzado para dentro da cueca e a fiquei esperando na sala. Apesar de ter gozado ele ainda estava duro. Pensei que haveria algum momento constrangedor quando ela voltasse do banheiro, pensei que ela fosse pedir para ir embora arrependida por ter feito aquilo , mas assim que ela saiu veio por cima, sentando no meu colo de frente para mim, e beijando minha boca.

A beijei pensando que sentiria o gosto da minha porra, porém pelo jeito, ela havia enxaguado a boca ,pois não senti nada. Sua lingüinha invadia minha boca mostrando o quanto era quente aquela garota ,e eu que a via como uma menina e nem imaginava que ela era assim ... Tão gostosa!

Eu comecei a passar a mão nas suas costas e nas suas coxas que estavam para fora do vestido. Meu pau latejava embaixo dela e resolvi liberar seu peitinhos para dar uma chupada. Eles era lindos e firmes. As auréolas eram rosadas e o bico pequenino e delicado. Minha língua os tilintava os deixando inchados . Ela gemia.

Coloquei minha mãos em suas pernas , e por baixo de seu vestido fui procurar sua bucetinha. Quando cheguei na calcinha senti sua umidade. Então sussurrei no seu ouvido :

- Agora quero retribuir o prazer que você me deu, deixa eu te chupar.

Pensei que ela se deitaria no sofá para eu realizar meu desejo, mas ela se levantou e ficou de pé em cima do sofá com a buceta na altura do meu rosto. Com as mãos ergueu o vestido me oferecendo sua bucetinha. Coloquei a calcinha de lado e descobri uma carequinha , toda lisa. Ela se depilava e não deixava nenhum pêlo. Chupei, lambi e mordi aquela buceta molhada e cheirosa. Queria entrar com a língua toda dentro dela. Que tesão mais louco eu sentia!

Ela gemia , em pé em cima de mim, enquanto eu segurava suas coxas e a chupava com vontade. Ela gozou na minha boca deixando meu rosto todo molhado. Então nos levantamos e eu tirei aquele vestido a deixando nua e mais atraente que nunca. Que corpo lindo ! A vendo nua meu pau estava como pedra de tão duro. A beijei e a apertei contra meu corpo, então a deitei no sofá e na posição papai mamãe a penetrei . Só de lembrar disto meu pau lateja dentro da cueca.

Como era apertadinha! Ficamos metendo no sofá por um bom tempo até que gozei uma , duas e três vezes seguidas. Sempre variando as posições. A comi de quatro , com ela apoiada no sofá, com ela por cima ,cavalgando meu pau e no chão fazendo meu joelho queimar em contato com o carpete.

Paramos extasiados e cansados daquele exercício físico estenuante. Depois deste dia passamos a nos encontrar outras vezes e a amiga do meu amigão do peito virou minha namorada! E hoje, relembrei esta nossa primeira vez e vim narrar aqui para vocês, pois semana – que – vem iremos fazer quatro anos de namoro!!! E eu e minha gatinha ainda mantemos o mesmo fogo que tínhamos da primeira vez que transamos...

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget