Na Cozinha de Um Bar

Sou nova neste negócio de contos eróticos, mas vou contar uma história que aconteceu comigo há alguns anos.

Estava de férias numa cidade que sempre visito e, ao passar perto de um barzinho bem badalado da cidade, encontrei velhos conhecidos, um deles um carinha que já tinha me comido. Sentei com eles e logo fui fazendo amizade com todo mundo, inclusive com umas meninas lésbicas que ficaram interessadas em mim. Eu usava uma calça jeans bem justa e uma blusa preta toda esvoaçante e que realçava bem meus seios. Sou bem branquinha e, como era verão, estava bronzeada de praia.

Não sigo o padrão top model, mas sou um mulherão e chamo muito a atenção desde novinha. Entre conversas e cervejas, o dono do bar foi se aproximando de mim e a conversa foi ficando interessante, mas em nenhum momento ele chegou a falar que queria me comer, embora eu percebesse isso nos olhares dele para mim.

Precisei ir em casa, perto dali, tomar um remédio, e prometi voltar. Voltei logo depois e ele ficou animado, me chamou pra sentar mais perto e, de repente, veio no meu ouvido e disse que tinha me achado muito gostosa e queria me dar uns amassos. Eu que já esperava aquilo, sorri pra ele e disse que teríamos que fazer aquilo discretamente, pois estávamos no bar dele e isso poderia causar impressões ruins no público.

Como eu não podia mais beber cerveja porque tinha tomado remédio, ele perguntou se eu não queria uma água e me chamou pra ir até a cozinha pegar. Entendi o recado e fui... Quando chegamos, começamos a nos beijar enlouquecidamente, ele metia a língua bem fundo na minha boca e se roçava todo em mim. Fiquei excitadíssima e fui me encostando na bancada da pia, afastando as pernas para ele se esfregar melhor. Ele desceu um lado da minha blusa e chupou um dos meus seios, depois fez o mesmo no outro, gemendo e me fazendo gemer também...

Peguei o pau dele e comecei a masturbar, ele dizia pra não parar, que estava muito bom, e continuava mamando e dizendo que meus peitos eram lindos e duros. Logo resolvemos mudar de posição, ele se entou numa cadeira e eu sentei em cima dele, com a blusa completamente abaixada e os seios livres para as chupadas dele.

Ele levava as duas mãos na minha bunda, me puxando contra seu pau duríssimo, e chupava minhas tetas deliciosamente, lambendo e mordendo os biquinhos. Ele saiu de cima da cadeira e falou pra eu sentar, e passou a esfregar o pau nos meus peitos molhados de saliva e com os bicos quase estourando de tanto tesão. Quando estávamos assim, entrou o outro carinha com quem eu já tinha transado, e vendo aquela cena, ele entrou, fechou a porta e parou do nosso lado, dizendo que eu era mesmo uma safadinha muito gostosa.

Tirou o pau e deu pra masturbar, enquanto o outro continuava esfregando o dele nos meus peitos. Masturbei o antigo com uma mão e,com a outra, peguei o pau do cara do bar e direcionei para minha boca. Ele adorou sentir meus lábios e língua no seu cacete, falava pra eu chupar mesmo que tava muito bom, e o outro que eu punhetava, ficou ainda mais excitado com aquilo, veio com a mão e abriu o zíper a minha calça, enfiando a mão por dentro da calcinha e acariciando, dizendo que meus pentelhinhos eram macios e quentes.

Levantei um pouco a bunda da cadeira, sem parar de chupar e masturbar, e ele puxou minha calça para baixo, tirando e me deixando só de calcinha. Disse pro outro olhar meu corpão gostoso e foi o que ele fez. Tirou o pau da minha boca e começo a me acariciar toda, dizendo que eu era linda e gostosa daquele jeito, só de calcinha. Acariciou minhas coxas e desceu para beijá-las, enquanto isso o outro enfiou o pau na minha boca.

Fiquei chupando enquanto tinha minhas coxas lambidas, mordiscadas e chupadas pelo dono do bar, que dizia que eu tinha um cheirinho delicioso e começou a afastar minha calcinha. Abri as pernas, mas não adiantou muito, o pedacinho de pano atrapalhava, então, novamente levantei um pouco a bunda e deixei ele arrancar minha calcinha, o que fez rapidamente, descendo pelas minhas pernas e beijando e lambendo meus pés.

Quando voltou, eu estava toda arreganhada e ele ficou louco, chupou meu grelo com muita vontade e começou a meter a língua na minha buceta. Estremeci, sentindo que gozaria, e foi o que aconteceu, gozei na boca dele, que ficou ainda mais doido de tesão. Entorpecida pelo orgasmo, parei de chupar o outro, que ficou olhando a cena: eu toda aberta, ofegante, a buceta melada de saliva e do meu melzinho delicioso, e o outro doido pra meter, e falou: "mete logo, aproveita que agora ela não vai mais resistir".

O dono do bar, então, olhou pra mim com um sorriso e um olhar safado e falou: "Agora eu vou foder você, sua puta". Começou a meter, primeiro de leve, depois mais rápido, e eu logo me recuperei, comecei a rebolar com o pau dele dentro de mim e ele logo gozou, me enchendo de porra. Mal saiu de dentro, virou pro amigo e disse:

-Agora é com você, que essa cadela já é sua mesmo.

Já fazia um tempo que aquele cara tinha me comido, mas quando ele colocou seu pau na entrada da minha xana, estava bem animado e eu fiquei doida, dizia pra ele me foder sem parar, me comer bem gostoso, e ele atendeu o pedido da sua putinha, fazendo um entra-e-sai frenético que me levou a mais um orgasmo, antes dele dizer pro outro que também ia gozar, tirar o pau e esporrar no meu corpo inteiro.

Então, o dono do bar pegou uma garrafa grande de água, abriu e começou a jogar em mim aos poucos, me esfregando com as mãos e dizendo que eu não poderia sair com cheiro de porra no corpo. Enquanto me lavava, beijava minha boca e apertava minhas tetas. Quando eu estava limpinha e toda molhada, me colocou de novo em cima da bancada da pia e de posicionou ao lado das minhas pernas.

Ficou chupando meus seios e acariciando meu pentelhos e minhas coxas. Logo abri as pernas e deixei que ele enfiasse dois dedos na minha buceta e massageasse meu grelo. Ele chamou o amigo e falou pra ele também sentir meu melzinho na boca, então, o amigo se agachou de frente pra mim, afastou os lábios da minha xana e começou a lamber, a chupar meu grelo e a me foder com a língua, enquanto ele chupava e mordia meus peitos e também massageava meu grelo.

Gozei feito uma cadela no cio com aqueles dois machos tesudos, bati uma punhetinha dupla pra eles gozarem e depois nos vestimos e voltamos normalmente pro bar, onde os clientes começavam a chegar e esperavam atendimento.

Conto erótico recebido por email  by Lú

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget