Debbi



Dois anos haviam se passado desde aquela vez em que conheci Edvaldo e ele me fez mulher. Tanto tempo sem ter qualquer contato com outro homem começou a me dar aflição e um certo medo que jamais a Debbi seria mulher de alguém novamente, ainda mais porque naquela época não existia Internet (pelo menos para mim) e as únicas oportunidades que eu tinha eram anúncios em revistas e sair as ruas.

Sair as ruas estava se tornando cada vez mais perigoso e os anúncios em revistas demoravam maia de três meses para serem publicados e eu estava num "jejum" de não aguentar mais, passava horas em meu quarto com minhas roupinhas de mulher, mas sentia que me faltava uma companhia que compartilhasse aqueles momentos femininos comigo, além de não ter tido mais oportunidades concretas de realização feminina.

A minha segunda experiência sexual começou com um belíssimo fim de semana de sol, quando eu já tinha 24 anos. Devo lembrar que todos os nomes e localidades aqui usados são fictícios para preservar a imagem das pessoas que participaram dessa minha história. Bem, voltando ao assunto, eu tinha uma amiga chamada Claudia que me convidou para passar o fim de semana com seu primo e três amigos dela, não sei porque, mas acho que ela estava afim de mim, e eu estava sem namorada na época e poderia aproveitar para satisfazer o meu lado masculino já que o feminino estava em baixa.

Sexta a noite fomos eu, Claudia, seu primo Ricardo e seus amigos Marcelo, Vitor e Márcia para o sítio que ficava no interior de São Paulo. Após duas horas de viagem chegamos ao belíssimo sítio, com lagoa, barco, campos, uma casa maravilhosa cheia de cômodos e uma cidade encantadora e receptiva. Logo na chegada fomos recepcionados pelo caseiro que veio de nosso encontro para ajudar a carregar as malas.

Foi nesse momento que eu senti meu cuzinho piscar, aquele homem era simplesmente um deus que aparecia diante de mim, moreno, mais ou menos 1,90m de altura, aparentava uns 40 anos, corpo forte e viril de pessoa do interior acostumada com o trabalho pesado. Mal podia me conter de tanto tesão que senti naquele momento.
Claudia perguntou a ele se estava sozinho e ele respondeu que sua esposa e filhas haviam ido a uma cidade próxima visitar a mãe e só voltariam no domingo a noite.

Entramos, nos acomodamos e eu fiquei com um quarto só para mim e que por acaso do destino, a janela dava de frente com a casa do meu tesudo caseiro. Lógico que não passava pela minha cabeça em dar para ele pois estaria me arriscando demais e além disso ele poderia contar tudo a minha amiga e acabar com minha vida, mas as minhas fantasias eram as mais loucas possíveis, imaginava ele me comendo a noite toda.

No dia seguinte, acordei com um tremendo mal estar e minha cabeça doía muito, mal conseguia ficar em pé, talvez devido a friagem que pegara na viagem e acabei perdendo os melhores programas, os meus amigos se preocuparam comigo e se ofereceram para ficar e me fazer companhia, mas não queria estragar o fim de semana de ninguém e falei que podiam ir aonde quisessem, e eu me conheço bem, sabia que logo estaria forte novamente, sempre fui resistente às doenças.

Fiquei deitada até mais ou menos meio dia, quando levantei para ir ao banheiro e passei pelo quarto da Claudia. Vi as roupas dela e da Márcia em cima das camas e não resisti em dar uma olhadinha. Enlouqueci com os vestidinhos delas e as mini saias que estavam lá, resolvi aproveitar que elas só voltariam no fim da tarde e fui experimentando tudo, me tranquei em meu quarto com as melhores peças que escolhi e fui me sentindo mulherzinha com aquelas roupas deliciosas. Num determinado momento resolvi me montar inteira (loucura né?) e fui buscar mais coisas.

Vesti uma blusinha azul celeste de cetim da Márcia, depois coloquei uma calcinha branca da Claudia (que tinha mais ou menos o meu número na época), passei um batom vermelho e por fim vesti uma mini saia de seda rodadinha azul clara que era uma gracinha. Depois disso passei uma escova em meu cabelo que estava relativamente grande e pus uma tiara. Só não pus os sapatos porque não cabiam em mim. Me olhei no espelho e me senti uma mulherzinha completa e deliciosa.Estava muito absorta em meus pensamentos de mulher e desfilando no quarto quando ouvi um barulho do lado de fora da porta.

Meu coração quase pulou pela boca e imaginei que alguém tinha voltado antes. Fiquei estática e resolvi ouvir se tinha mais algum barulho estranho. Fiquei uns quinze minutos assim e não consegui ouvir mais absolutamente nada, então pensei que fosse algum bichinho do interior, mas de qualquer maneira dei uma abridinha na porta e fui ver se os carros estavam no jardim, deveria estar apenas o meu... Fui na ponta dos dedos até a porta da cozinha e olhei pela janelinha...me apavorei quando vi o carro do caseiro estacionado ao lado do meu e pensei comigo mesma: "ele deve ter chegado e estava aqui dentro e depois saiu, mas deve ter visto a bagunça no quarto das meninas, é melhor eu arrumar tudo logo".

Resolvi então voltar ao quarto o mais rápido possível para tirar a roupa, e quando entrei quase tive uma parada cardíaca: o caseiro estava sentado na minha cama e olhando fixamente para mim disse com ar de reprovação:

- Quer dizer então que você se veste de mulher rapaz?

Não sabia o que fazer ,como agir, como pensar. Implorei a ele:

- Por favor, pelo amor de Deus, não conte nada a ninguém se não minha vida acaba!!!! (Quase chorando...).Ele me respondeu:

- Você fica uma delícia de mulherzinha, eu já comi umas bichinhas por aí, mas com esse jeitinho de mulher eu nunca experimentei. Se você fizer o que eu quero, ninguém saberá desse "nosso" segredinho.

Sem pensar duas vezes, ele se levantou e caminhou na minha direção. Chegou bem perto e passou a língua bem de leve em meu pescoço enquanto deslizava a mão por cima da minha saínha e da minha bundinha. O meu tesão começou a vir cada vez mais forte e eu já não sabia o que estava acontecendo, só deixei rolar para ver até onde ele queria chegar.

Me levou até a cama e me colocou sentada elogiando meu rosto e dizendo que eu tinha uma pele de bebê, de mulherzinha virgem. Se colocou na minha frente e tirou a camisa e depois o short, estava sem cuecas. Seu pau estava muito duro, parecia uma pedra e era bem grande, maior do que aquele que me havia comida pela primeira vez. Colocou sua ferramenta na minha frente e balançou ordenando:

- Chupa bem gostoso meu tesãozinho

Peguei aquele pauzão delicioso e comecei a chupar tudinho até onde a minha garganta agüentava. Depois lambi toda a sua extensão e os seus grossos e vastos pentelhos para depois voltar a chupar com muita vontade enquanto o meu homem gemia de prazer e me dava tapinhas nas costas, eu delirava, adorava ser chamada de mulher e estar chupando um pinto tão gostoso. Ficamos uma meia hora assim, mas em várias posições.
De repente ele me falou:

- Agora eu vou sentir esse rabinho gostoso e vou te comer tanto que você não vai mais conseguir fechar as pernas.

Tirei a calcinha, mas fiquei com a blusinha e a mini saia, depois ele me pegou e me deu um beijo tão gostoso que quase me sufocou. Colocou-me de quatro e lambeu meu cuzinho com muita vontade, eu rebolava e gemia implorando para ele me comer logo. Colocou seu pinto duro e grande bem na entradinha do meu cuzinho que piscava alucinadamente e começou a enfiar bem devagar. Nos dois primeiros centímetros eu já tirei e pedi para parar, pois não estava agüentando e ele então tomou uma atitude que mudaria definitivamente alguns rumos de minhas fantasias femininas. Levantou-se e foi correndo até o seu carro, eu não entendia nada, voltou com uma corda e me ordenou:

- Coloca tuas mão na cabeceira da cama gatinha !!!

- Não, o que você vai fazer?

- Coloca senão conto tudo aos teus amigos!!!

Com medo de ser desmascarada e ao mesmo tempo com medo de sua atitude eu aceitei e fiz o que ele me pediu. Amarrou-me as duas mãos na cabeceira da cama numa posição em que eu ficava com a bunda virada para trás, ou seja, praticamente de quatro, e começou a se aproximar de mim, quando disse:

- Agora você vai levar vara quer você queira ou não

O medo misturado ao tesão é uma sensação indescritível que só quem passou por isso é que sabe. Com suas mãos ásperas e fortes, começou a colocar o seu pau aos poucos em mim, e eu estava completamente passivo sem poder fazer nada, e nem podia me mexer, pois estava tão amarrada que se tentasse me soltar o nó apertava mais e machucava minhas mãos. Aquele pau enorme começou a entrar e eu não agüentava de dor e tesão. Ao mesmo tempo que o pinto começou a me penetrar, o meu delicioso amante me dava fortes tapas em minha bundinha que ardia.

Aos pouco eu estava completamente tomada por aquele homem delicioso que me comia com força e seu pau já estava todo atolado em mim e socando com mais força ele me batia na bunda e me chamava de puta gostosa. Ai que delícia, como foi bom, eu gozei junto com ele que gemia alto e forte me comendo sempre forte e mais forte e gozando em mim e me fazendo mulher e eu com aquela mini saia, de batom, era uma mulher, uma fêmea sendo possuída pelo seu garanhão....Gozei feliz e meu amante também.

Ele foi a sua casa se lavar e eu arrumei tudo antes que o pessoal voltasse. No domingo fui com meus amigos aos programas que havíamos planejado e antes de voltarmos para São Paulo, o meu caseiro deu uma leve passada de mão na minha bundinha e disse que me queria de novo por lá. Eu voltei mais uma vez após 6 meses, mas ele havia sido demitido da casa. Sabem por quê? Porque foi flagrado pelos pais da Claudia comendo um garoto da cidade no quintal da casa. He he he, ainda bem que não era eu

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget