A Engenheira Tarada e o Office Boy


Eu estava estagiando já no final do curso numa construtora aqui em São Paulo. Apesar de adorar o campo de obras, ficava praticamente restrita à área de cálculo estrutural. Desenvolvia rotinas para utilização em micros para agilizar os projetos. Havia um office boy baixinho, mas bonitinho que trabalhava comigo. Tudo o que eu precisava pedia a ele. Ficava quase o dia todo sentada na prancheta e ele, coitadinho, numa mesa de secretária perto da porta. Eu olhava para ele e ouvia:

- Pode dizer Dona Isa.

E era só pedir. Muito esforçado, cursava o 2º grau à noite e duas tardes por semana freqüentava um curso de inglês, que foi ofertado pelo escritório. Assim, ele passava o dia inteiro com os livros de inglês abertos sobre a mesa. Ao final do dia, ele arrumava a minha sala, menos minha prancheta, a mesinha dele e o que estivesse fora do lugar. Aliás, sempre que precisava se ausentar, deixava a mesa dele arrumadinha. Eu ficava encantada com o jeitinho dele.

Certa vez, pedi a ele que fosse comprar material para mim e ele saiu imediatamente. Depois de alguns minutos me dei conta que tinha deixado pela primeira vez a sua mesa desarrumada. Mulher não presta. Curiosa! Levantei e fui até a mesa dele para dar uma olhada como estava se saindo com as lições. E, surpresa! Revistinhas de sacanagem dentro dos livros. Na hora me lembrei dos meus tempos de colégio de freiras. Ficávamos horas escondidas lendo. Me excitei toda. Queria ficar folheando as revistas, mas estava morrendo de medo de ser flagrada.

Abri uma das gavetas da mesa e achei mais. Meu office boy favorito tinha uma coleção enorme. Acabei pegando umas 3 ou 4 na parte de baixo da pilha e levei para minha prancheta. Minutos depois ele chegou. Me entregou o material e sentou-se na sua mesinha. Não consegui fazer mais nada até decidir ir ao banheiro e ler pelo menos uma das revistinhas. Escolhi uma delas e fui. Até hoje fico fascinada por desenhos como o do Zéfiro. Era sobre um casal em lua-de-mel num trem. Folheei rapidamente e voltei para minha mesa. Estava a mil. Tudo em mim fervia. Precisava fazer alguma coisa. Eu ia explodir. E a única possibilidade era aquela "amostra-grátis" de homem.

Fiquei subindo pelas paredes e não dei o braço a torcer. No final do expediente, aquele que seria meu futuro marido, veio me buscar. Recebi-o de maneira "entusiasmada" e a única coisa que obtive em troca foi um beijinho rápido nos lábios e a frase:

- Te deixo em casa e volto pro hospital. Tive de trocar de plantão.

Droga! Nada ia acontecer e não aconteceu mesmo. Cheguei em casa tomei um banho mais prolongado. Queria me masturbar, mas achei um desaforo uma mulher como eu fazer isso quando queria mais. Comi um lanche rápido assistindo televisão e fui para cama. No dia seguinte estava mais calma. Fui até a faculdade e acabei esquecendo como havia ficado no dia anterior. Na hora do almoço, comi o meu PF diário e fui pro escritório. Uma reunião com os engenheiros, um café e fui para minha sala. Cheguei lá e não tinha ninguém.

E, para meu desespero, a minha prancheta estava em ordem. Aquele pestinha tinha arrumado. Ele nunca fez isso. Corri para olhar embaixo dos vegetais e não vi nenhuma revista. Fui até a mesa dele, e nada. Trancadinha. Tinha sido descoberta. Quando meu "anjinho" chegou, passou a agir naturalmente. Pedi a ele para tirar cópias de alguns documentos. Ele levantou, arrumou suas coisas, fechou a mesa e saiu. Quis morrer! Ele voltou meia-hora depois. Aquele cheiro de amoníaco das cópias dos vegetais "poluía" a sala. "

- Você abre a janela um pouco? O ar-condicionado não vai adiantar.

O estabanado abriu a janela e um vento levou algumas anotações de cima da prancheta para o chão. Abaixei-me para pegá-las e ele também. Enquanto pegava as folhas, percebi um par de olhos gulosos cravados nas minhas pernas. A reação foi imediata. Levantei um pouco os olhos e fui olhar como estava o seu amigo. Volumoso. Até demais. Como alguém com no máximo 1 metro e meio podia ter "aquilo" daquele tamanho?

E ele percebeu. Ficamos a tarde inteira nesse joguinho de gata e rato. Olhares para cá, olhares para lá... De repente...

- Dona Isa, a senhora gostou?

Gostei do que? Do que aquela peste estava me perguntando. Resolvi dar uma voltinha em cima dele.

- Gostei das duas coisas! - Pronto. A carinha de bobo dele valeu!
- Duas?
- Sim! As revistinhas e o "volume"!"- Não consegui segurar um risinho. Ele ficou corado, abaixou os olhos. Não queria magoá-lo. Queria apenas que ele se mantivesse sob meu domínio. Me levantei e pedi desculpas pela estupidez. Ele levantou os olhos e sorriu meio amarelo.

-Eu perguntei do que a Sra. pegou na minha mesa!

Realmente, a ladra tinha sido eu. Disse a ele que adorava revistinhas assim. Foi a senha. Ele na hora mudou a expressão. Abriu a gaveta da mesa e começou a me mostrar as suas favoritas. E um esboço de uma que ele estava tentando fazer. Peguei as outras folhas que ele havia deixado na gaveta e comecei a folhear. Ele começou a tremer.

- Não fica assim, bobo! Você desenha muito bem! - Foi aí que percebi não eram os traços que o incomodavam! Era a personagem. Euzinha! Na "revistinha" dele, eu estava sentada na minha prancheta, com as pernas abertas. Podia ver minha calcinha nos quadros seguintes. Até tufos dos pelos ele desenhou saindo pela lateral da calcinha.

Nessa hora percebi que nunca tinha dado "nenhuma bandeira" porque sempre mantive aparados por causa dos biquínis. Em outra página, ele estava ajoelhado embaixo da prancheta com as minhas pernas sobre os seus ombros. Sua cabeça entre minhas pernas. Comecei a suar frio. Levantei os olhos e fitei aqueles dois olhinhos fixos, mistos de tesão e medo. Estiquei o braço até a porta e tranquei-a. Peguei sua mão. Trouxe-o até a prancheta. Dei a volta e me sentei no banquinho, tomando o cuidado de deixar minha saia solta sobre o ele.

-Vem! Faz igual! - Ele relutava. Meu olhar deve ter transmitido todo o desejo que eu sentia. Ele se abaixou sob a prancheta, ajoelhou-se e colocou delicadamente minhas pernas sobre seus ombros. Seu rosto foi se aproximando. Percebi que ele não saberia o que fazer. Ergui mais a saia, e puxei o lado calcinha, me expondo toda. Ele veio com a boca e encostou a língua. Explodi na hora. Prendi a cabecinha dele entre minhas pernas. Eu "comia" aquela lingüinha e me movimentava contra sua boca. Gozava seguidamente.
Quando me acalmei, larguei aquela cabecinha.

- Dona Isa a Sra. é demais! - Me senti nas nuvens. Puxei o banquinho para trás e o trouxe ele para cima. Sai do banquinho. Fiquei em pé. Trouxe-o contra o meu corpo. Os quase dez centímetros de diferença entre nós criaram uma situação engraçada. Seus lábios quase ficavam na altura dos meus seios. Ele queria me beijar. Deixei. Minhas mãos foram imediatamente atrás do "volume". Apertei aquela coisa por cima de sua calça jeans. Tirei sua calça e vi a sua cuequinha com uma mancha enorme. Abaixei-me e encostei a boca sobre a mancha. Ele tremia todo. Abaixei a cuequinha e vi o "volume".

Não era tão grande assim, mas a grossura era maior do que a maioria que eu tinha visto. Cheguei com os lábios bem perto e pude sentir aquele cheiro característico. Abri meus lábios e comecei a colocá-lo dentro da minha boca. Quando pressionei a língua contra ele e o meu céu da boca, me assustei com o jato. Um amante "rápido no gatilho". Ele gozava muito. Tremia todo. Tirei-o da boca e ainda assim fui "alvejada" no rosto. Levantei o rosto e vi aquela carinha de tesão. Sorri.

- Você é rápido!

- Nunca fiz isso! – Confessou ele...

- Você é virgem?

- Não! Os meninos da escola ... Sabe, né?

- Sei! Sei, sim! Nunca uma menina?

- Não! Eu queria te ver! – mudou rapidamente de assunto.

- Espera! - Tirei a camiseta e o resto da roupa.

- A Sra. é linda! - O "volume" surgiu de novo. Tirei as roupas que restavam dele. Deitei ele no chão e me sentei em cima dele. Cavalgava como doida. Nem me importava se ele fosse rápido de novo. Mas não foi. Consegui controlar o meu garoto que acabou gozando só depois de mim.

- A Sra. vai me mandar embora?

- Não! Por que?

- Isso! A gente não podia! - Rolei por cima dele e o puxei sobre mim. Pedi a ele para não se mexer. Disse que ficasse quieto, apenas com os lábios brincasse com meus seios. E ele fez. Chupava meio desajeitado.

- Morde devagar. Na pontinha! - Ele mordia. E dava sinais de vida de novo! Nada como tesão recolhido. Vinha de novo. E veio. Ele se apoiou sobre as mãos e começou o vai e vem com os quadris. Me deixei lânguida. Queria apenas sentir.

- Vem, meu anjo! Goza comigo! - Gozamos os dois! Levei-o ao banheiro e limpei meu amante mirim. Me limpei e voltamos a minha sala. Aí comecei a série de perguntas:

- Você nunca tinha estado com uma mulher?

- Não!

- Só com meninos?

- Uns viadinhos na escola! - Achei graça do jeitinho dele. E me excitei de novo pensando no que faziam.

- Me conta como é?

- No banheiro da escola. A gente entra dois no mesmo banheiro. Se for para chupar eles ficam em pé no chão e eu no vaso. Se for para comer, eu fico em pé e eles abaixados no vaso.

- Me mostra! - Fomos ao banheiro. Ele tirou o "volume" para fora. Subi no vaso. Abaixei minha calcinha até os pés. Suspendi a saia e fiquei de cócoras. Ele molhou meu rabinho com saliva. Deu uma lambuzada no "volume". Segurou na minha bundinha e foi posicionando-a até começar a encostar a cabeça. Aí, empurrou! Quase caí. Achei que seria mais gentil. A dor e o desequilibro quase estragaram tudo. Me firmei com as mãos e ele começou a bombar dentro do meu rabinho. Era difícil suportar. Ele só se importava em se movimentar. Com uma mão procurei meu sexo e comecei a me masturbar. Me sentia o "viadinho da escola". Ele demorou mais para gozar e eu aproveitei. Mais duas vezes. Ele gozou puxando a minha bundinha de encontro a ele.

Parecia que queria entrar mais ainda. Quando ele tirou senti o vazio deixado e o leite escorrendo. Não me limpei. Deixei-me ficar naquela posição enquanto o seu líquido se esvaia de dentro de mim. Olhando para trás, vi que ele estava se excitando com a cena. Não perdi tempo. Me concentrei ao máximo para dar um showzinho para ele. De repente, consegui. No início algumas gotas, depois o jorro um pouco fora do alvo, mas eu estava urinando para me exibir.

Nunca tinha feito aquilo. Levantei um pouco mais o quadril para que o jorro ficasse dentro do vaso. Olhei para trás e meu amiguinho começava a se masturbar. Incrível. Acabei o "banho dourado". Me virei. Sentei na ponta do vaso. Abaixei a sua calça de novo e o fiz se ajoelhar no chão. Eu mesma guiei o membro dele até dentro de mim. E assim, iniciamos a nossa saideira. E abusei. Tinha certeza de que ele seria mais lento e mais carinhoso. E foi. Deixei o "volume" em frangalhos. Ele ficou comigo mais 3 semanas. Achei melhor arrumar uma colocação para ele em outro escritório. É claro que seu rendimento caiu. Mas as nossas tardes eram movimentadíssimas. Pelo menos uma por dia. Ele era incrível. Realmente, "um pau para toda obra". É claro que sinto saudades dele. Poucas vezes depois arrumei alguém que ficasse sob meu domínio. Não como escravo. Isso não me excita. Apenas o domínio da situação.

3 comentários:

Anônimo disse...

seria incrivel ser dominado por vc... quem sabe poderia acontecer né... epicuro26as@hotmail.com espero que aconteça.

Menino e Menina Safadinhos disse...

delíciaaaaa!

rizoneide disse...

eu estou ardendo em chamas mesmo,que tesao

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget