Quando Virei Mulher

Já fazia algum tempo que eu havia perdido a virgindade, fiquei com outros garotos mas sem transar. Estava com medo de ter uma experiência ruim e acabei me reservando. Ainda não tinha sentido vontade de transar novamente até conhecer o André. Moreno, pele branca, cabelos lisos sempre arrumados. Um corpo bonito, de homem. Com ombros largos e braços fortes . Ficar em seus braços devia dar a sensação de proteção, de segurança. André era o irmão mais velho de uma amiga. O conheci após começar a freqüentar a sua casa para estudar e fazer trabalhos escolares junto com sua irmã e outras colegas.

Certo dia estávamos fazendo um trabalho para escola na casa de minha amiga quando sai da sala para ir no banheiro. Ao passar por um quarto com a porta entreaberta, o vi pela primeira vez. Ele estava trocando de roupa . Cabelos molhados, chinelo no pé, somente de cueca. Pernas grossas e peludas, bumbum gostoso. Olhei meio sem querer e André virou para trás e me viu. Senti meu rosto esquentar e saí correndo para o banheiro.

Logo após eu voltar para sala, André ,já vestido, passou por nós e sorriu para mim antes de sair de casa. Depois deste dia confesso que sonhei com ele. Imaginando aquele garoto nu, sonhei que estava transando. Eu ficava de costas, ele me segurando firme, com aqueles braços apertando meu corpo em um abraço, o pau entrando e saindo da minha bucetinha, o barulho de sua pele batendo na minha, ele falando coisas obscenas no meu ouvido. Depois tirando o seu pau, fazendo eu ficar de frente e gozando nos meus seios.... Quando acordei, me masturbei pensando nisso...

Fantasiava transar com aquele gato, mas as dúvidas não deixavam os meus pensamentos. Como seria transar com ele? Seria rápido? Gostoso? Eu gozaria? Que tipo de rapaz ele era? Contaria vantagem para os amigos? Minha experiência anterior não tinha sido muito boa. Ainda não sabia o que era gozar com um homem. A curiosidade era imensa, porém tinha medo de me entregar a alguém. Decepção. Receio de não ser feliz na cama. A vontade de transar novamente, tentar de novo.

Em outra oportunidade encontrei André no clube, eu estava com as meninas na piscina, pegando um sol com meu biquíni amarelo, quando ele me viu. Seus olhos me devoraram . Tenho 1,65 de altura, 51 kg, pele branquinha, bronzeado leve, com poucos pelinhos alourados, bumbum arrebitado e seios pequenos. Sou loira com olhos claros. Os bicos dos meus seios estavam empinados, inchados, arrepiados com o vento meio frio. Ele se ligou neles e os olhou demoradamente. Fiquei roxa de vergonha e sorri embaraçada.

No final da tarde André se juntou a nós e, desembaraçado, conversava animadamente com todas as meninas do grupo, porém ,quando teve oportunidade falou , meio que me cantando como ele e seus amigos concordavam que eu era a mais bonita das amigas de sua irmã. Fiquei vermelha e agradeci o elogio.

Após este dia começamos a conversar pelo telefone, ele era divertido e falava muitas besteiras. Caras extrovertidos são assim, né? Falam sacanagem e se a pessoa se mostrar um pouquinho ofendida, logo eles vem com aquela: - Pô é brincadeira, leva a mal , não! - Mas , na verdade, eu me excitava e viajava com as coisas que ele falava.

Em uma de nossas conversas ele me disse:

- Nossa essas marquinhas de sol na sua pele branquinha são demais! E esse seu bumbum arrebitado, que delícia, heim?

Chamei ele de sem - vergonha e desconversei mas fiquei pensando nisto durante vários dias.

E os nossos papos foram ficando cada vez mais quentes até o dia que ele me convidou para o cinema. Fiquei excitada! Será que ia ficar com ele? André é lindo e bem humorado. E parecia que tinha uma “quedinha” por mim. Nos encontramos, beijinhos no rosto, conversas animadas na fila e no escurinho do cinema ele me envolveu o pescoço com os braços e puxou meu rosto em um beijo quente. Sua língua passeava por toda a minha boca e a nossa respiração estava acelerada. Por cima da camiseta ele tocou levemente um dos meios seios. Os bicos incharam e gemi na sua boca. Fazia tempo que não fazia nada com ninguém. Resisti. Garoto Atrevido! Tirei sua mão dos meus seios e voltamos a nos beijar. Não queria ser fácil mas foi duro de me segurar. Prometi para mim mesmo que em outra oportunidade eu deixava.

Nos finais de semanas seguintes continuamos a nos encontrar. Ficávamos, o tesão estava cada vez mais forte. Mãozinha aqui, mãozinha ali, mas não passava disso. Eu estava me segurando. Tinha medo de ser ruim como tinha sido minha relação com o Carlos. Será que com o André seria melhor? Ele despertava um tesão danado em mim e por várias vezes, após uns sarros gostosos, chegava em casa com a bucetinha molhada. Então ia para o chuveiro e dava uma aliviada me masturbando. Pensando em como seria bom transar com ele. Suas mãos pelo meu corpo, seus braços me apertando forte, sua respiração na minha nuca. O seu pau entrando com força na minha vagina. Que delicia devia ser transar com André!

Em um final de semana fui até a sua casa, assistir um filme com sua irmã e outras amigas. Ainda não tinha o visto quando fui procurá-lo com a desculpa de ir no banheiro. Quando passei pelo seu quarto, ele saiu na porta e me puxou para dentro. O safado sabia que eu estava ali e só estava esperando uma oportunidade. Sentou na cama e me puxou para o seu colo me beijando como um louco. Começou a apertar meus peitos e eu deixei. Audacioso, abriu uns botões da minha blusa e colocou meus peitinhos para fora. Sugou um e acariciou outro. Ele os beijava, chupava.Que tesão! O calor ia dominando o meu corpo. Já sentia a minha bucetinha úmida, quente,latejando. Que medo de alguém nos ver! De repente, barulho fora do quarto!

Pulei de seu colo e arrumei minha roupa. Saí do quarto, não tinha ninguém no corredor. Fui para o banheiro, lavei o rosto e me recompus. Voltei para o filme mas não consegui prestar atenção em mais nada. Só pensava em como seria bom transar com André.

Durante dois meses ficamos de rolo, saíamos juntos sempre que possível. Nos encontramos no clube , André andava de mãos dadas comigo me mostrando para todos os seus amigos. Gostava disso. Quando troquei minha roupa e coloquei o biquíni, André me despiu com os olhos! Seus olhares e seu desejo por mim me deixavam perturbada, excitada e orgulhosa. Pulamos na piscina e ficamos brincando como crianças, jogando água um no outro. Mas como ele era safado logo dava um jeito de dar uma roçadinha nos meus peitos ou na minha bundinha e, quando sem querer, toquei no seu calção senti o seu pau duro. Fiquei com tesão! Continuamos brincando, até que ele me abraçou e beijou, apertando meu corpo contra a borda da piscina. Por mim eu daria para ele ali mesmo. Já não tinha mais dúvidas, os medos estavam desaparecendo. Mas como tinha mais gente próximos a nós, paramos com a brincadeira gostosa e decidimos ir embora.Não ia dar para continuar ali , daquele jeito.

Acho que ele também não agüentava mais de tesão pois nesta mesma semana me chamou para ir até a sua casa. Disse que estaríamos sozinhos e que gostaria de mostrar uns Box´s com umas séries de tv que havia comprado. Que desculpa! Sabia que ele ia tentar me comer.... e eu também queria isto!! Tomei um banho demorado, passei creme por todo meu corpo e coloquei meu perfume favorito . Arrumei os cabelos e vesti uma calcinha preta, contrastando com minha pele branquinha marcada por um leve bronzeado. Decidi ir sem sutiã. Coloquei um vestidinho preto e me olhei no espelho. Achei que estava linda! Com os cabelos loiros descendo pelas minhas costas, usava um sapato com salto que deixava minha bundinha ainda mais empinada. Neste dia eu iria transar com o André.

Chegando na sua casa o avistei no portão. Fomos direto para o seu quarto ver a tal coleção de dvd´s que estavam organizadas em uma estante. Fingi estar interessada por alguns e enquanto olhava os títulos ele me abraçou por trás e foi beijando minha orelha, meu pescoço. Forçei minha bunda para trás e comecei a rebolar. Senti o seu pau duríssimo pressionado contra a sua calça. Desta vez eu queria seduzir e ser seduzida. Queria gozar. Sentir um homem me chupando, passando a língua na minha bucetinha, estava louca de tesão.

Virei de frente para ele e vi o desejo estampado nos seus olhos. Gostava do jeito que ele me olhava. Beijei sua boca e fui passando a mão por seu corpo. Ele correspondia e apertava as minhas costas, minha bunda. Meus seios foram pressionados enquanto ele beijava o meu pescoço. Sussurrava no meu ouvido.

- Minha gostosa, meu tesão! Como você tá cheirosa! Aahhhh..... quanta vontade de te comer, de beijar esse seu corpo lindo.

Gemi como resposta. Suas mãos ergueram e tiraram o meu vestido. Fiquei apenas de calcinha e sapatos altos. Ele olhou para o meu corpo de cima até embaixo. Admirado, segurou a minha cintura e me apertou contra a parede. Beijava os meus seios, os apertava, as auréolas rosadas, o bico inchado. Minha pele se arrepiava a cada toque seu. Sentia minha bucetinha arder em brasa, encharcada, sedenta por sentir seu pau me preenchendo, me invadindo.

Ele tirou sua camisa e calça. Suavemente me fez deitar na sua cama e tirou meus sapatos. Beijou meus pés e foi subindo pelas minhas pernas, lambendo a parte interna das coxas. Passou sua mão na minha bucetinha por cima da calcinha. Suspirei de tesão. Ele, sentindo a umidade, ficou louco e tirou minha calcinha. Meus poucos pêlos loiros, bem aparados ficaram expostos. Minha excitação era tanta que escorria até o meu cuzinho. Fazia tempo que eu esperava por isso.

Beijou minha vagina e passou a língua nos lábios subindo até o clitóris, fazia movimentos circulares e a sensação estava maravilhosa, sentia sua língua quente, macia, delicada, arrepios de prazer foram dominando meu corpo que se contorcia a cada toque, minhas pernas tremiam, sua boca passou a sugar, a abocanhar meu clitóris. Ele o chupava divinamente. Nunca havia sentido aquilo, nem mesmo quando me masturbava no chuveiro. As sensações foram aumentando e de repente o mundo desapareceu abaixo de mim, me senti flutuando, ondas de prazer dominavam todo o meu corpo, gemi alto, gritei e falei palavrões, deitada, ergui minhas costas e apertei sua cabeça contra a minha vagina, estava gozando!!!!!!! O que era aquilo? Minha bucetinha latejava, se contraia e sentia meu gozo escorrer pelas pernas. André continuou chupando, sentindo os meus líquidos, passando a língua por toda minha bucetinha. Minhas pernas estavam moles, tremiam.

Uma euforia me dominava, meu tesão não tinha acabado! Queria senti-lo dentro de mim. Queria mais! O puxei para cima e beijei sua boca. Troquei de posição e o coloquei por baixo, beijei sua barriga e arranquei a sua cueca. Seu pau era maior que o de Carlos e tinha uma cabeçona enorme. Passei a língua nela e por todo o seu pau. Queria retribuir o prazer que ele havia me proporcionado. Lambia suas bolas enquanto o masturbava. Ele pediu para eu parar.

- Espera, se continuar assim vou gozar na sua boca, quero gozar dentro de você!

Dito isto, se posicionou por cima de mim e colocou seu pau na entrada da minha bucetinha. Forçou e o seu pau foi entrando, devagarzinho, nunca tinha sentido a minha buceta tão molhada, tão lubrificada. Sua virilha encontrou a minha. Seus pêlos negros encontraram os meus loiros. Que sensação maravilhosa! Seu pau me preencheu completamente, minha pele se arrepiava de tesão. Ele começou a colocar para dentro e para fora. Eu apertava suas costas, o arranhava. O safado falava sacanagens no meu ouvido, mordia minha orelha. Me chamava de gostosa.

Logo, não agüentei mais e gozei de novo! Gozei de novo! Urrei de prazer, arranhei suas costas, minha buceta se contraiu apertando o seu pau e ele me acompanhou. Não agüentou mais e gozou dentro de mim, sentia a porra escorrendo pelas minhas pernas, ele continuava socando seu pau até que desabou sobre mim. Nossa respiração estava ofegante. Eu estava maravilhada! Nunca na vida podia ter imaginado como o prazer podia ser tão intenso. Como o sexo podia ser tão completo. Se antes havia dúvidas, agora não existia mais nada. Neste momento minha paixão virou amor. André tinha me transformado em mulher.

André me abraçou forte e contou sobre o seu amor por mim. Eu era correspondida. Desde o primeiro dia , sabia que eu seria sua namorada e que tudo entre nós seria perfeito.

Namoramos , transamos por diversas vezes e devido aos caminhos que o destino nos leva, acabei mudando de cidade. Mas André continua sendo inesquecível, o primeiro homem que me fez sentir mulher. O primeiro homem que me fez gozar.

Até a próxima pessoal...

By Camilinha - 
Litoral de S.C. , dezembro, 2008

Esta história é continuação do conto Minha Primeira Vez - Experiências de Mulher
O próximo conto desta autora é Perdendo a Virgindade da Minha Bundinha

4 comentários:

Anônimo disse...

Gosto de transa entre parentes Minha irmã de 21
anos, solteira vive me provocando, sonho em meter com ela.

Pedro.

Anônimo disse...

Parentes? Que parentes ? O cara do comentário acima tá louco!

Anônimo disse...

Pedro me manda sua irmã de 21 anos q como ela, viro parente seu e ela n te enche mais o saco e deixa de ser solteira,e q tbm tenho vontade de comer sua irmã.

Anônimo disse...

huahuahuahua... Pedro FAIL!!!!!!!!

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget