Esconde - Esconde

Meu nome é Sandra, tenho 38 anos, 1,69 m de altura e sou casada. Tenho peitinhos pequenininhos, que cabem inteirinhos na boca, coxas grossas, e uma bunda arrebitada, lisinha e redondinha. Dizem que sou gostosa. Costumo usar saias e vestidos, bem curtinhos, e quando ando na rua, sempre ouço muitas gracinhas. Me chamam de tesão, gostosa, tesuda. Outros mais tarados e com menos educação, dizem: que bundão; queria chupar esses peitinhos gostosos; adoraria meter nesse bundão. Fico toda envergonhada, mas ao mesmo tempo, morro de tesão.

E em vez de passar a usar roupas mais discretas, cada vez coloco roupas mais ousadas. Escrever assim, está me deixando tão excitada, que minha bucetinha está toda meladinha de tesão. Tem duas coisas em sexo, muito especiais para mim, e que adoro fazer.

A primeira é chupar pica. Desde garotinha, que adoro fazer um boquete. Lembro bem! Os garotos sempre me convidavam para brincar de esconder. Eu devia ter uns quatorze anos, e modéstia à parte, era a menina mais gostosa da turma. Sempre um deles, se escondia junto comigo, e durante o tempo em que permanecíamos escondidos, eu mamava deliciosamente a piroca de cada um deles.

Isso nunca contei para ninguém. Mas eles sabiam entre eles. Com uns dezesseis anos comecei a namorar meu marido. Ele era muito tímido, e só depois de alguns anos, é que ele começou a segurar meus peitinhos. Um dia, não agüentando mais aquela falta de atitude, enquanto estávamos sentados na varanda lá de casa, coloquei a mão sobre sua pica, e durante uma conversa, fiquei alisando-a por cima da calça.

Quando senti que a rola tinha ficado durona, abri sua calça, e abocanhei a piroca dele. Ele ficou espantado com a minha reação, mas acho que eu estava mamando tão gostoso, que não teve coragem de me deter. Como há muito tempo não fazia aquilo, fiquei cheia de tesão, com o cacete dele na boca. E ele, acho que nunca tinha sido chupado, pois tremia dos pés a cabeça.

Quando estava quase gozando, puxou minha cabeça, para que eu tirasse a pica da boca, mas continuei engolindo ela inteirinha, até sentir os jatos de pôrra quentinha, esguicharem na minha garganta. Bebi cada gota, depois quis beijá-lo, mas ele não permitiu. Fiquei imaginando se você gostaria que eu começasse lambendo seu saco.

Sugar carinhosamente uma bola depois a outra. Ir lambendo lentamente, da base até a cabeçorra vermelha, com a língua bem durinha serpenteando de um lado para o outro, sobre seu caralho. Quando chegar à cabeça, gosto de lamber como se fosse um picolé. Bem devagarzinho, para a língua ir escorregando lentamente na superfície sedosa da pele da chapeleta.

Então, no momento que você já estiver morrendo de tesão, quando sua pica começar a soltar aquele leitinho lubrificante, que vai saindo gostoso, lambuzo a pica inteira com ele, e coloco a inteira dentro da boca. Não sei se consigo fazer isso com a sua rola. Mas com certeza, tentarei engoli-la, inteirinha.

Quero sentir essa pica latejando de tesão, toda enterrada na minha boquinha. Aí, começo a mamar, subindo e descendo minha cabeça, enterrando tudo e tirando, lambendo a chapeleta, e voltando a abocanhar tudinho. Você gemendo de prazer, a pica latejando, e de repente, enchendo minha boquinha de leite quente e viscoso, que eu deixarei escorrer pelo canto de meus lábios, para voltar a engoli-la e sorver o leitinho que escorreu.

Quando a pica estiver sequinha, e limpinha, terminei meu boquete, e se você quiser, adorarei beijá-lo demoradamente, sentir sua língua invadindo minha boca. Meu marido costumava dizer, que eu chupo melhor que qualquer puta. Não sei se é verdade. Mas me dá o maior tesão fazer um boquete gostoso. Você gosta de ser chupado? Sai muito esperma, quando você goza? Você gosta de chupar uma bucetinha? Eu adoro ser chupada, lambida, mordiscada.

Adoraria que um dia, alguém me chupasse e ao mesmo tempo, enfiasse um dedo no meu cuzinho. Eu vi isso em um filme, e desde então sinto a maior vontade fazer igual. Deve ser uma delícia! Digo isso, porque, a segunda coisa que mais gosto, com relação ao sexo, é dar minha bundinha. Engraçado!

Quando eu era adolescente, algumas amigas me diziam que tinham dado a bundinha. Eu dizia que jamais faria tal coisa. Que deveria doer muito. De tanto ouvir falar, fiquei curiosa, e um dia, pedi para meu marido para fazer. No princípio doeu um pouco, e eu pedi para ele parar. Desisti na primeira vez.

Passados alguns meses, saímos com um casal de amigos, e quando fui ao toalete com essa amiga, ela me contou que adorava transar sexo anal. Falou que gozava mais intensamente, quando dava a bunda para seu marido. Disse ainda, que nunca tinha praticado essa forma de sexo anteriormente. Somente depois que casou. Ao voltarmos para casa, novamente pedi para que ele tentasse. Dessa vez não só eu fui enrabada, como daí para frente, eu queria sempre mais.

É lógico que meu cuzinho só conhece a pica dele. Mas acho que se você for carinhoso, e tiver bastante experiência em sexo anal, poderia tentar me enrabar. Eu tenho certeza que vai doer, na primeira vez, mas eu tenho tanto tesão quando estou dando a bundinha, que posso suportar a dor inicial. Porque com certeza, quando a dor passar, vou gozar como louca, com essa pica tirando de vez todas minhas preguinhas.

Gosto de ficar de quatro, e ir rebolando e forçando minha bunda para trás. Sentir a cabeça ir entrando lentamente. Quando essa cabeçorra entrar um pouquinho, você tem que me prometer, que vai ficar paradinho, até que a dor se vá. Quando meu cúzinho se acostumar, então volto a rebolar bem devagarinho, quando a cabeça entrar toda, aí você pode empurrar tudinho, e me comer como um cachorrinho, que fode a cadela no cio.

Será que você vai me machucar? Se você meter gostoso eu vou adorar ficar olhando no espelho, os seus movimentos de macho, fazendo entrar e sair essa pica do meu cúzinho. A rola latejando, meu rabinho mordiscando o intruso, que vai se alojando, e quando entrar tudinho, vou adorar sentir o balanço do saco, roçando na minha bucetinha, me deixando louca de tesão. Ai! Eu gozo tanto que às vezes penso que vou desmaiar.

E não é necessário qualquer manipulação no meu grelinho, ou na minha xoxotinha, não. Eu gozo pelo cúzinho mesmo. Só preciso do movimento da pica, se atritando, mexendo no fundo do meu rabo, para me deixar subindo pelas paredes de tanto tesão. Mas com tudo isso, espero que esse seja o fechamento. Porque antes disso, quero sentir essa tora toda enterrada na minha xoxotinha. Estou torcendo para você ser um macho bem viril, para meter gostoso na minha buceta, sentir esse pau me alargando, abrindo minha xaninha.

Pois eu tenho necessidade de ser fodida com desejo, com furor, com vontade. Estou querendo variar. Não quero uma trepada insossa, sem agressividade, sem tara, sem tesão, como as que dou com meu marido. Quero que você me rasgue, me coloque do avesso, me chupe, me coma, me estupre. Você acha que pode fazer assim? Uma outra vontade que tenho, é poder trepar com dois homens ao mesmo tempo.

Estou louca para virar recheio de sanduíche. Um dia vou falar à respeito desse meu desejo lá em casa. Daqui a algum tempo, acho que consigo fazer a cabeça do meu marido. Se eu não conseguir com ele, você me ajuda? Apesar de todas minhas palavras, de tudo que eu disse, quero que saiba que ainda amo meu marido.

Se algo ocorrer algum dia, vai ser puro tesão, fantasia, sexo. É que aqui nessa carta, me sinto à vontade para falar coisas, que jamais teria coragem de dizer abertamente. Parece uma espécie de magia. Como se eu tivesse certeza, que escrevendo, tudo isso será um segredo inviolável. Tenho tantas fantasias, que resolvi colocar algumas em prática, e torná-las aventuras e não fantasias.

Algumas já realizei, mas nunca chegaram ao ponto de uma trepada. No próximo e-mail escrevo contando o que fiz. Foram mais exibicionismos meu, mas que no final, me renderam masturbações maravilhosas, de gozar até quase desfalecer. Se você achar que vale a pena, me escreva novamente.

Prometo que manterei o maior sigilo sobre tudo, mesmo porque, talvez eu necessite mais de sigilo que você. Se for possível me envie algumas fotos suas. Se você quiser, no meu próximo e-mail, enviarei mais uma foto minha para você. Também queria dizer que se um dia você vier ao Rio, gostaria muito de recebê-lo, aqui em nosso apartamento. Não se preocupe com meu marido. Eu invento alguma coisa para justificar a sua visita.

Beijos!

Conto erótico recebido por email - By Sandra

3 comentários:

Anônimo disse...

Quero fuder teu rabinho com meu cacete bem duro

Andre Junior disse...

Eu moro no rio de janeiro . Zona norte . Manda tel pra gente marca pode ser ?

Andre Junior disse...

Me manda tel moro no rio de janeiro

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget