Suruba no Motel


Este é o relato de uma aventura que realizamos ao conseguir reunir na suíte de um motel, além de nós (eu e minha esposa), mais dois parceiros: Bruno e Camila, um travesti que conhecemos há bastante tempo, com quem nos encontramos sempre que viajamos ao Rio.

Às vésperas de nossa viagem, falei do que tinha em mente à Elba (minha mulher), e ela, como sempre, concordou plenamente. Da minha cidade, por telefone, combinei os detalhes com nossos parceiros e tudo aconteceu conforme o programado.

Para não haver problemas na portaria do motel, liguei uma hora antes, informando que iríamos entrar em quatro pessoas, para ocupar uma única suíte, acertando todos os detalhes, inclusive preços, para que tudo transcorresse na mais perfeita tranqüilidade.

Entramos juntos no motel, Elba, eu e o Bruno, tendo Camila chegado logo após de táxi. Acomodamo-nos na sala de estar da suíte, bebendo vinho branco e conversando animadamente, sobre sexo, como não poderia deixar de ser. Logo se criou um clima gostoso, Camila botando o caralho do Bruno para fora e ele fazendo a mesma coisa em relação a ela.

Eles (Bruno e Camila) até então não se conheciam, mas se entrosaram muito bem. Elba brincava com eles, dizendo que Bruno era o namorado de Camila. Rapidamente os dois estavam de pau duro, masturbando-se mutuamente, enquanto Elba fazia a mesma coisa em mim. Ela, sem calcinha, oferecia seu grelinho para que eu massageasse do jeito que ela gosta.

Não resisti muito tempo naquela função puxando Elba pela mão, levei-a para a cama, para que eu pudesse chupar sua gostosa buceta deixando nossos amiguinhos na sala namorando. Tão logo Elba teve seu primeiro orgasmo na minha língua, Camila e Bruno vieram juntar-se a nós. Cedendo meu lugar, eles simplesmente atacaram com suas línguas os orifícios de Elba. Enquanto um chupava a buceta, o outro chupava o cuzinho, fazendo-a gozar loucamente.

Em seguida foi a vez do Bruno ser presenteado com um banho de línguas de Elba e Camila, que não tiveram dificuldades em dividir entre si, a tora de 23cm do garoto. Enquanto uma punhetava, a outra mamava aquela rola enorme, arrancando suspiros do felizardo. Eu, assistindo a cena, percebi que se continuassem mamando e punhetando o garoto, rapidamente ele gozaria. Além disso, estava ansioso para ver aquela massa de músculos, invadindo a buceta da minha putinha.

Entreguei a ela uma camisinha, sinalizando que queria vê-la fodendo o caralho do rapaz. Entendendo o que eu queria ela encamisou o caralho que iria invadir sua grutinha, deitou-se na cama e aguardou. O garoto posicionou-se entre suas pernas, alojou a cabeçorra na entrada da perseguida, e foi penetrando vagarosamente os seus vinte e três centímetros, arrancando suspiros da minha amada.

Quando as bolas do garoto bateram na bundinha dela, ele iniciou o movimento de vai-e-vem, de entra e sai, enquanto ela falava:

-Fode. Fode gostoso essa buceta... Enfia essa tora todinha dentro de mim...

Eu estava extasiado com aquela cena, mas queria que minha esposinha sentisse mais prazer ainda do que já estava sentindo. Então pedi à Camila que chupasse a buceta dela ao mesmo tempo em que o Bruno lhe fodia. Esta não se fez de rogada, atendendo meu pedido prontamente, o que fez com Elba gemesse, gritasse com mais intensidade.

Camila, além de chupar os grandes lábios da buceta de Elba, aproveitava a deixa, lambendo o caralho e o saco do garoto, enquanto com a mão livre, masturbava-se a si própria. Eu assistia a tudo e também e também me masturbava, mas Elba sinalizou que queria meu pau em sua boca e eu lhe atendi. Embora estivesse super gostosa a chupada que ela me dava, dei meu lugar à Camila, pois queria ver minha putinha agasalhando dois enormes caralhos, um em sua boquinha e outro na delicada xoxotinha, os quais, somadas suas medidas, resultavam em quase quarenta e cinco centímetros.

Assistindo aquela cena emocionante e carregada de erotismo , eu me masturbava e dizia:

-Assim, putinha ...Fode. Come a rola inteirinha do Bruno, e mama gostoso, engole todo o caralho da Camila ...

Não resistindo à minha provocação e a ação dos dois caralhos em seu corpo, ela gozou longa e demoradamente, entre suspiros e delírios. Bruno goza junto com ela. Bruno vai para o banheiro, deixando Elba prostrada, juntamente comigo e Camila, que inicia uma gostosa mamada em meu cacete, enquanto com a mão livre, soca, cadenciadamente seu próprio cacete que está enorme e muito grosso, entre seus dedos. A mamada que ela me dava era muito gostosa e merecia reciprocidade. Além disso, eu estava louco para sentir aquele caralho nas minhas mãos e na minha boca.

Posicionei-me melhor, e passei a masturbar Camila, e logo em seguida a chupar aquele caralho enorme e duro que nem ferro, num perfeito sessenta e nove. Elba dá sinais de que está recuperada e passa a assistir meu colóquio com Camila. Então, lembrei-me que era hora de Elba ter Camila dentro de si. Devidamente encamisada, Camila assumiu sua condição de macho, penetrando na insaciável buceta da minha putinha.

Elba pedia para ser fodida com força e com profundidade. Camila não se fazia de rogada. Fodia com vigor, com força, entrando e saindo vigorosamente na buceta já inchada da minha querida putinha. Além de estocá-la com decisão e vigor, ainda provocava:

-A putinha gosta de foder o caralho da Camila, gosta??? Tá gostoso o caralho da Camila nessa buceta tá??? A putinha gosta de foder outro caralho pro maridinho assistir???

Elba delirava com essas perguntas e ia respondendo:

-Ai, adoro foder esse caralho, é muito grande, muito grosso, muito gostoso... Enfia esse caralhão todinho... Quero sentí-lo todinho dentro de mim.... Sim, adoro foder esse e outros caralhos pra ele ver, pois ele adora ver sua putinha fodendo grandes caralhos...
Nesse clima ela não resistiu e logo em seguida, gozou uma vez mais, quase desfalecendo com Camila sobre o seu corpo. Camila retirou-se para o banheiro. Bruno estava sentado numa poltrona, descansando e assistindo tudo o que acontecera após ele ter gozado. Depois de tudo o que tinha acontecido eu estava louco para foder minha mulher, sentir sua buceta alargada após a visita dos dois cacetões.

Mal ela se recuperara, eu montei sobre ela, sentindo a gostosa temperatura de sua grutinha. Que delícia! Fodemos gostoso, sob a assistência dos nossos dois parceiros. Em determinado momento, Elba puxou-me para o banheiro, ficou de quatro apoiada na pia, e pediu que eu a penetrasse por trás em sua grutinha arrombada.

Atendi o pedido e fodi com muita vontade, tendo a minha frente um belo panorama: a linda bundinha dela se movimentando gostosamente para mim. Avisei que ia gozar e ela disse que eu podia vir que ela estava me esperando. E assim, gozamos juntinhos, um gozo muito gostoso e inesquecível. Enquanto ela tomava banho, voltei para cama para me recuperar, onde encontrei Camila, que ainda não havia gozado. Mal me deitei ao seu lado ela me disse baixinho no ouvido:

-Só eu não gozei ainda. Vai me fazer gozar?
Eu respondi:
-Com certeza!

E comecei a alisar sua rola que já estava a meio pau. Rapidamente a rola cresceu na minha mão, e eu então, passei a mamar com muita vontade o grande caralho de nossa amiga, que chegava a ofegar pelo prazer que lhe estava proporcionando. Botava tudo o que podia na boca, lambia a cabeçona, e alisava suas bolas. Camila estava adorando e eu percebia que estava prestes a gozar.

Como não queria receber sua porra em minha boca, fui interrompendo a chupada e passei a massagear e masturbar carinhosamente aquele caralho que tanto prazer dera à minha mulher. Assim, acarinhando suas bolas e masturbando-a fiz Camila gozar. Enquanto soltava jatos de porra sobre sua própria barriga, ela estremecia, oportunidade em que eu praticamente ordenhava o seu cacete, para extrair toda a porra de suas entranhas.

Quando terminei a função, recebi os aplausos de Elba e Bruno, que a tudo assistiam. Elba gostou do que viu, e veio deitar-se ao meu lado, e assim adormecemos. Depois Bruno me contou que, enquanto dormíamos, ele ainda comeu o cuzinho da Camila.

CONTO ENVIADO POR EMAIL - AUTOR ANÔNIMO

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget