Colégio Velho , Vida Nova

Depois de descobrir o que o sexo realmente pode proporcionar, minha cabeça ficou a mil. Pensava que havia perdido anos com dois relacionamentos conservadores, sem ter acesso às coisas boas da vida. Na segunda-feira passada, então, tive certeza de que a chama que se acendeu em mim é incontrolável.

Estava no colégio (estou no 3o. ano), assistindo à aula de História, e não conseguia evitar uma cara de tarada. Enquanto a professora falava de República Velha eu lembrava da noite inesquecível com os cinco rapazes do XXXX. Nisso, notei que o Eduardo estava me olhando atentamente, fixado nos meus peitos. Ele é um desses filhinhos de papai; tem 20 anos e ainda está no 3o. ano.

Quando levantou os olhos, deu de cara comigo e ficou meio sem graça. Eu sorri maliciosamente. O sinal tocou e, como era a última aula do dia, todos começaram a sair. Já eram umas seis da tarde. Eu desci para o pátio e fiquei conversando com uma amiga, antes de ir embora. Vi que o Eduardo estava no pé de uma árvore, sentado, lendo alguma coisa. Uns vinte minutos depois, a mãe da minha amiga apareceu para buscá-la. Caminhando na direção do carro, cruzamos com Edu e, sabendo que ele tem carro, perguntei:

-Tá esperando alguém, é?

Ele respondeu que tinha que falar com um professor, mas eu sabia que era mentira, pois àquela hora só estavam no colégio os inspetores e os porteiros. Minha amiga foi para o carro e eu continuei andando (moro perto). Nem tinha andado um quarteirão, lembrei dos cinco rapazes de novo e voltei ao colégio. Eduardo estava arrumando a mochila. Eu lancei um olhar de puta para ele e perguntei se ele estava com pressa. Ele disse que não.

Sentei ao lado dele e ficamos conversando um pouco sobre as coisas do colégio. No meio do papo, disse que havia notado os olhares "gulosos" dele no meio da aula. Ele não se fez de rogado e confirmou. Então, começou a passar a mão no meu pescoço, descendo até bem perto dos seios. Achei aquilo um atrevimento, mas não conseguia controlar meu tesão. Segurei a mão dele e coloquei por dentro da blusa, abrindo dois botões para facilitar.

Eduardo passeava habilidosamente e eu prestava atenção ao que se avolumava em suas calças. De repente, um inspetor passou e tomamos um susto enorme. Foi quando ele me puxou por um braço e me levou para o banheiro feminino do primeiro andar. Assim que chegamos, ele fechou a porta e me encostou contra ela. Abriu o resto da minha blusa, tirou meu sutiã e começou a chupar meus peitos avidamente.

Pensei que ia ficar mal falada, porque Eduardo fazia aquilo com todas que deixavam. Mas ele começou a mordiscar meus mamilos e eu esqueci completamente do assunto. A essa altura, Edu já estava esfregando minha buceta por cima da calça, com movimentos nem um pouco sutis. Apesar da falta de delicadeza, aquilo me excitava e eu imaginava seu pênis ali dentro.

Resolvi virar o jogo. Devagar, eu fui fugindo da boca frenética e finalmente consegui trocar de lugar com Edu, encostando-o na porta. Acho que ele ficou surpreso, afinal eu sempre fora considerada uma garota comportada. Fique agachada e abri sua calça lentamente, acariciando suas pernas, até libertar o cacete. Ao ver aquele membro pulsante, me descontrolei e abocanhei-o inteiro. Ajoelhei e comecei a mover a cabeça, sentindo cada centímetro do caralho deslizar dentro da minha boquinha. Seu gosto era simplesmente delicioso. Tirei-o da boca e passei a lamber seus testículos, abocanhando-os de vez em quando. Edu gemia e dizia que queria gozar.

Como eu tinha adorado experimentar o gosto de porra duas semanas antes, voltei minha atenção para o membro em si. Depois de algumas lambidas na cabeça, coloquei-o na boca de novo e pedi:

-Fode minha boquinha, Edu.

Ele estava enlouquecido e, segurando minha cabeça, começou a estocar com força. Não demorou muito e senti o pau pulsando e liberando o líquido quente e viscoso, direto na minha garganta. Edu deixou-o ali dentro, me obrigando a engolir sua porra, o que acabei fazendo com prazer. Eu levantei e, levando um dedinho à buceta, comecei a me masturbar, pois estava encharcada e louca para ser penetrada. Edu, exausto, fez força para falar:

-Deixa eu te foder. Tirando a mão de dentro da calça, respondi:

- Hoje não. Passei o dedo umedecido pelos meus líquidos vaginais nos seus lábios e ele ficou doido:

-Por favor, eu vou te foder bem gostoso. Disse que estava tarde, coloquei a blusa e saí o deixando boquiaberto pela minha atitude.

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget