Desejos Bisexuais

Este texto é mais um desabafo do que um conto erotico bisexual... 
Logo que entrei na puberdade uma duvida sobre minha sexualidade me consumia. Apesar de achar lindo um corpo feminino e de me acabar na punheta lendo revistas de mulher pelada, também me masturbava pensando em um cacete duro. Achava isso estranho e não sabia o que acontecia comigo. Sabia que eu não era gay, pois não tinha jeito feminino e também não tinha vontade de beijar outro homem na boca. 

Também não achava homens bonitos ou tinha atração por eles. Mas quando pensava em um pau duro e latejante ficava excitado. Então o que eu sou? Lembro que via revistinhas de sacanagem e me revezava nas punhetas, ora olhando para as gostosas e ora, olhando para os cacetes que as penetravam.

Assim que brincando com meu pau ,enquanto folheava uma destas revistas, descobri o que era gozar fiquei doido. Vivia de pau duro e a vontade de transar era imensa. Nesta época a turma que morava na minha rua era composta basicamente de garotos e quase nenhuma garota. Eu era muito tímido e não imaginava que pudesse ter alguma coisa com as poucas vizinhas. Então me masturbava pensando em transar com alguns colegas. Na verdade apenas um e por um motivo específico.

Uma vez, no fundo de minha casa, estávamos em um grupo de quatro rapazes vendo revistas de mulheres peladas e um deles, mais desinibido e safado, tirou seu calção e mostrou para todos como o seu pau estava desenvolvido. Ele estava bem duro e chegava a ficar envergado para cima de tão rijo, latejava dando pulinhos e seus pentelhos eram castanhos claros. Aquela imagem ficou gravada em minha cabeça até hoje e já bati varias punhetas pensando naquele pau.

Pensava em chupá-lo bem devagarinho, lambendo cada veia, deslizando a língua da base até a cabeça, circular sua glande roxa e depois colocá-la na boca sugando e dando pequenos chupões. Verificar até onde conseguiria colocar seu cacete na minha boca. O chupar colocando para dentro e para fora, me deliciar com seus gemidos e depois voltar a lamber sua lateral até chegar aos seus pentelhos. Queria descer minha boca até o seu saco e lambuzar suas bolas com minha saliva enquanto o masturbava. Cada latejada, cada pulinho que seu cacete desse, cada gemido me deixaria ainda mais excitado, com mais vontade.

Gozei por diversas vezes pensando nisto e até imaginei qual seria a sensação de sentir aquele cacete no meu cuzinho. Fantasiei que após chupá-lo e deixá-lo bem duro talvez pudesse me se sentar no seu cacete. Eu me ajeitaria por cima dele e conduziria seu pau para a entradinha de meu cu, passaria a glande no ânus e sentia aquele negócio morno me tocando nesta área tão sensível. Lentamente iria soltar meu corpo guiando a penetração para que não houvesse dor e minhas entranhas envolvessem aquele pau gostoso. Sentiria e me deliciaria com cada centímetro penetrado, minhas pregas o segurariam, talvez estranhando aquela carne que entrava ou talvez com medo de sentir dor. A sensação dos pentelhos batendo na minha bunda e finalmente eu me acomodando em seu colo selaria a realização de meu desejo. E por um rápido instante, talvez eu ficasse imóvel aproveitando aquele pau enterrado no meu rabo... Eu me sentiria menos homem ou o tesão nem me permitiria pensar nisto?

Me Imagino levantando a bunda e sentindo o seu pau sair de dentro de mim. A sensação seria de alivio? Sentiria prazer? Me levantaria até quase todo o seu cacete me abandonar com o cuidado de deixar sua cabeça ainda dentro de mim. E novamente me sentaria devagar, aproveitando a entrada no meu rabinho. Faria isso algumas vezes até satisfazer meus desejos e então viria a curiosidade de ser comido de verdade. Aumentaria a velocidade e logo ficaria em outra posição.

Penso que de quatro, com a bunda para cima , talvez fosse a que mais eu gostasse. Me colocaria na posição e sentiria sua boca beijar minha bunda, sua língua passeando por minhas nádegas até chegar ao meu cuzinho sensível. Acredito que seria muito bom ter ele lambido. Aquela consistência úmida e morna me acariciando, girando pelo meu cuzinho e às vezes descendo até minhas bolas. Penso no meu cacete sendo acariciado e sua língua tentando me penetrar. Talvez eu me arrepiasse todo e o desejo de ter o cacete novamente me possuído fosse intenso. Mas acredito que as sensações pudessem ser tão boas que não ousasse a pedir que ele parasse. Aproveitaria o máximo e gostaria que ele ficasse nestas carícias por um bom tempo.

Não agüentando mais, talvez o cara, se posicionasse atrás de mim e ajeitasse seu cacete na entrada de meu cuzinho, forçando a sua entrada. Novamente gostaria que a primeira penetração fosse lenta e demorada, porém, desta vez, que os movimentos em seguida, fossem mais rápidos para sentir o que é realmente ser comido. Sentir ele me foder com força e ouvir o barulho de sua pele batendo na minha. Sentir o tranco de sua cintura bater na minha bunda e ouvi-lo gemer e dizer que está muito gostoso me comer.

Queria que ele tirasse seu pau de dentro de mim na hora que estivesse para gozar e que eu sentisse os jatos quentes nas minhas nádegas enquanto eu me masturbava. Acredito que meu orgasmo também viesse de forma abundante e inédita. Talvez o prazer que sentisse fosse diferente daquele sentido enquanto me masturbava ou quando fodia uma garota.

Saciado o desejo como me sentiria depois? Haveria arrependimento? Dúvidas? Ficaria envergonhado de mim mesmo por que acabara de fazer? Seria menos homem? O que passaria na minha cabeça? Continuaria a sentir tesão por mulheres?

O medo e a adrenalina ao pensar nessas coisas fazem minhas mãos tremerem ao digitar este texto e ainda não sei se teria coragem de realizá-lo. Porém acredito que tudo deveria ser bem discreto para que nunca ninguém desconfiasse o que aconteceu. A pessoa escolhida deveria ser alguém mais nova do que eu e de preferência, também, com pouca experiência neste tipo de relação sexual.

Penso nisto e, às vezes, acho que para vencer este bloqueio que me impede de realizar esta fantasia, talvez fosse mais fácil de ser rompido se eu transasse com uma travesti. Acho que seria legal ter um corpo feminino, uma travesti bem gostosa e cheia de curvas, com um pinto duro e pulsante. Este corpo seria a junção de meus desejos bissexuais. Uma mulher e um homem em uma só pessoa.

Alguém já teve este medo? Pensa em fazer estas coisas? Como passou das fantasias e pensamentos para a coisa real? Como foi sua primeira vez com outro homem? Sou de Curitiba e tenho 29 anos.

By Pensativo por email

5 comentários:

Anônimo disse...

Me identifiqei em muitos pontos com a historia, e foi bem dificil pra mim enfrentar esses desejos, mas venci. Hoje 25 anos, namorando uma mulher linda e com desejos bissexuais pulsantes.Qual o problema ?

Anônimo disse...

"Olá tenho 42 anos, sou casado há 08 anos , tenho três filhos lindos e amo minha mulher, mais confeço que sou louco para transar com outros caras....só não tive oportunidade ainda.

carioca_1970@hotmail.com

Anônimo disse...

Axei super interesante seu desabafo.. Sou mulher tenho 18 anos, e tenhu um primo qe e casado ele tem 24 anos duas filhas lindas e uma mulher lindissima tbm.. Mais isso n o impedi de ter uma namorada travesti escondido. Um amigo dele sem qere me contou.. Axo qe isso e normal no ser humano ter esses tipos de vontades! Eu tbm tenho as minhas... Axo super bacana homens qe se abrem! Bjinhus

boa sorte! Torso pra qe deja tudo certo pra vcs!

Curicaca disse...

Tenho o mesmo desejo, sou casado e já fiz sexo com minha esposa e um amigo, a partir daí começou meu tesão bi passivo, sou tranquilo em relação a isso, procuro parceiro em campinas sp, tenho 49 anos, branco, nível universitário: casadobicampinas@gmail.com

Anônimo disse...

Tbem tenho desejo bi passivo, eu e mha esposa já praticamos sexo com um amigo e, a partir daí, começou meu tesão de ser bi passivo. Casado, branco, nível universitário, 49 anos, moro em Campinas: casadobicampinas@gmail.com

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget