História Real

Conheci a gata que é minha esposa no escritório onde trabalho. Há vários anos atrás ela trabalhou lá como recepcionista por poucos meses, mas foi tempo suficiente para me deixar totalmente tarado por ela. O corpo dela é simplesmente sensacional, e ela sempre ia trabalhar vestida de maneira bastante sensual, embora sem ser vulgar.

Tentando na medida do possível disfarçar eu comia com os olhos aqueles peitos que os decotes descobriam em parte, e aquelas coxas deliciosas e firmes que a mini-saia exibia. Mais tarde, quando nós já namorávamos, ela me contou que o que chamou a atenção dela para mim foi o volume que eu carregava sob o zíper da calça. Pudera!

Quando depois de alguns meses ela pediu demissão eu a procurei, nós saímos algumas vezes e começamos a namorar. Nossos anos de namoro e noivado foram tórridos de sexo e volúpia, além de, é claro, muito amor entre nós. Nossas transas sensacionais nesta época não caberiam neste relato, e eu precisaria escrever aqui muitas noites em seguida para contar apenas as mais excitantes.

Já durante o namoro eu sentia uma forte curiosidade sobre os namoros e transas anteriores da minha gata. Assim, fiquei sabendo que ela era virgem antes de nossa primeira transa. Mas, não satisfeito com isso, eu queria saber os detalhes dos beijos e carícias íntimas dela com os namorados anteriores.

Durante o noivado foi que ela me falou, durante algumas de nossas transas mais quentes, do desejo dela de transar com outros homens. No começo eu não dei muita importância a isto. Considero estas fantasias normais, e eu também tinha as minhas, que contava para ela. Isto só tornava nossas transas mais excitantes. Após o casamento nosso amor e nosso tesão não diminuiu.

Entretanto, ela continuava sempre a insistir que desejava transar com outros homens. Pouco a pouco, isto foi se tornando para nós dois a única fonte de prazer na transa. Não era tão excitante se nós não imaginávamos ela transando com outro homem. A esta altura dos acontecimentos eu me assustei e quis que nós parássemos com aquela história.

Minha esposa porém fincou o pé: não abria mão daquela idéia. Sem saber se queria realmente ou não, eu concordei. Continuamos a conversar sobre o desejo dela de me trair (já era como falávamos então) só que, mais e mais era eu quem pedia que ela transasse com outro(s) homem(s). Ela, é claro, adorava ouvir eu pedindo isso. Até que, uma noite, decidimos partir para a ação.

Minha gata se vestiu com uma blusa colante que eu havia dado de presente para ela e que ela estava reservando para usar em alguma ocasião especial, e uma calça justa que a deixaram bastante apetitosa. Passamos em dois ou três bares interessantes e bem freqüentados de nossa cidade até que, no último deles ela flertou com um cara de uma mesa próxima.

Eu aproveitei para me retirar e fui para casa esperar por ela. Ela chegou três horas depois. Foram horas agonizantes porém de intenso prazer para mim. Quando minha gata finalmente chegou eu a chupei da cabeça aos pés estremecendo de prazer ao sentir o cheiro de outro macho ainda no corpo dela.

Finalmente enfiei meu caralho naquela bucetinha que outro havia usado a menos de uma hora e gozei também dentro dela. Foi o prazer mais intenso que já senti. Infelizmente, agora que eu sei como é bom ser corno, minha esposa não quer repetir a experiência, embora diga que continua sentindo desejo de transar com outros homens.

Conto erotico enviado por email - autor anônimo

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget