A Garota dos Pelos Pubianos Dourados

Acho que sou um cara meio estranho em termos sexuais, pois sempre fui louco por sexo oral, acho até mais gostoso que a própria penetração em si. Gosto da mulher fazendo em mim e sou fascinado em fazer também. A primeira lembrança que eu tenho de uma vagina remete a minha infância. Lembro de estar brincando com uma priminha no quintal de casa e de repente ela me fala que estava louca para fazer xixi. Dizendo isto baixou as calças, ficou de cócoras e urinou ali mesmo. Eu era muito pequeno e curioso, e enquanto ela urinava ,me abaixei próximo a ela e fiquei vendo aquele liquido saindo daquela grutinha tão diferente para mim.

A imagem não saiu mais de minha cabeça e uma noite, após ver uma mulher ensinando ginástica na TV se abaixando para fazer um exercício, lembrei de minha prima e sonhei a noite que a tal mulher fazia xixi e eu ficava vendo aquilo. Mesmo criança acordei e senti alguma coisa diferente, que não sabia dizer o que era, mas muito gostoso. Não pense que sou algum alucinado por “chuva dourada”, minha fixação era pelo órgão sexual feminino.

Esta fixação se acentuou ainda mais depois que, mais crescido, fui passar uma temporada na praia. O pessoal que ali passava férias costumava ir até um trapiche, subir nas muretas e mergulhar por várias vezes. Na adolescência e com os hormônios em ebulição minha atenção se voltou para uma loirinha que se divertia com as amigas. Ela pulava, subia no trapiche e voltava a pular novamente. Eu só ficava de olho naquele corpinho bronzeado, seus cabelos loiros molhados e suas curvas incríveis.Em uma dessas vezes que ela voltava da água, se esforçando para subir no trapiche, notei que a parte de baixo de seu biquíni estava um pouco puxada para o lado. Continuei observando atentamente e quando ela conseguiu sair da água e ficou próxima a mureta para pular de novo, vi que alguns pelos loiros saiam pela lateral do biquíni se deixando a mostra.

Fiquei louco! Admirado pela aquela visão. Eram poucos fios dourados, mas o suficiente para fazer meus pensamentos irem a mil, fiquei imaginando aquela loira nua deitada em uma cama, suas pernas se abrindo em câmara lenta e uma vagina com uma penugem loira se revelando . Os pelos dourados com a cor de seu cabelo. Eu enfiando minha cabeça entre as pernas e chupando aquela coisa linda sem parar, a fazendo gozar uma, duas, três vezes só com minha língua... Não precisaria nem penetrá-la para que eu gozasse. Sentiria prazer e ejacularia somente vendo seu rostinho expressar que estava gostando.

Depois deste episódio minha preferência por sexo oral ficou ainda mais forte e em todas as minhas transas iniciava beijando todo o corpo da mulher. Iniciava com beijos na boca, descia pelo pescoço, beijava os ombros, os seios, passava a língua pela barriga até chegar na calcinha. A circundava com a língua, desde a parte de cima até ir percorrer o contorno da virilha. Revezava os lados e não esquecia de beijar e lamber as pernas e coxas. Ainda sem baixar sua calcinha introduzia a língua pela lateral do tecido, procurando aquela carninha gostosa. E depois de brincar bastante tirava lentamente sua calcinha admirando a bucetinha que enchia os meus olhos. O formato dos lábios vaginais, o “corte” e a cor dos pelos pubianos, seu cheiro e por fim seu gosto. Me deliciava por um bom tempo somente lambendo, chupando e brincando com os dedos. Acabei ficando viciado nisto.

Mas apesar de sempre que transava satisfazer minhas vontades por sexo oral uma pontada de frustração me corroía por dentro. Eu precisava encontrar uma mulher que tivesse os pelos loiros, pois nunca consegui esquecer aquela visão da garota dos pêlos pubianos dourados. “Caçava” loiras para levar para cama com a esperança de que seus pelos fossem loiros e quando ficava cara – a – cara com a perseguida. vinha a decepção: a bucetinha tinha pelos escuros. Por mais loiro que fossem seus cabelos, mesmo que a moça tivesse pelos dourados pelo corpo a bucetinha sempre era morena ou, no máximo, um castanho mais claro.

Com todas as loiras que ficava nas baladas ou outros lugares, vinha a curiosidade... Será que esta tem a bucetinha loira? A expectativa ia crescendo até eu conseguir levar a garota para cama, cumprir meu ritual de beijá-la toda e descobrir a cor de seus pelos após tirar sua calcinha.

Apesar de não desistir andava meio desanimado por não conseguir encontrar a minha bucetinha loira. Até que se mudou para o meu prédio uma garota de uns 22 anos, branquinha com cabelos lisos e loiros, os olhos eram verdes e seu nariz era arrebitadinho. Ela usava aparelho e sempre se encontrava comigo no elevador com uma bolsa de sua faculdade. Reparei que seus braços quase não possuíam pelos apenas alguns que eram todos loirinhos. Expert na avaliação vi que suas sobrancelhas também eram loiras.

Em uma dessas ocasiões, que nos encontramos no elevador, a cumprimentei e puxei assunto, torcendo logo para que a minha busca terminasse. Fomos desenvolvendo uma amizade e logo eu estava cantando ela na cara dura. Não demorou muito e a convidei para sair. Jantamos em um dia, fomos ao cinema em outro, e vimos um show no final de semana. Engatamos uma “ficada” atrás da outra e mais ou menos na sexta vez que saímos ela aceitou tomar uma cerveja em meu apartamento. Já havíamos trocados beijos e amassos “calientes” antes, mas ela vinha ceifando minhas investidas mais ousadas. No máximo permitia um apertão nos seus peitinhos. Eu percebia que ela também me desejava, acho que estava apenas esperando à hora certa.

E essa hora talvez fosse esta. Em meu apartamento conversamos, nos beijamos e tratei logo de agarrá-la com vontade demonstrando o meu tesão. Passei a mão pelas suas costas. Apertei sua bundinha e seus peitinhos. Ela não opôs reação as minhas investidas. Pensei comigo: É hoje! Nos beijávamos com volúpia e ela também me apertava inteiro. Tentei tirar a sua blusinha, e ela, totalmente submissa apenas levantou os braços para me auxiliar. Desci logo até sua calca e a tirei deixando minha loira apenas de calcinha e sutiã.

Um misto de ansiedade e medo me dominava... Será que esta era a garota certa? Aquela que tinhas os pelos pubianos dourados? Ao mesmo tempo em que queria deixá-la nuazinha logo, para satisfazer minha curiosidade, também tinha a vontade de prolongar a situação o máximo possível, pois a descoberta seria única e marcaria o fim da minha procura.

Tirei seu sutiã e beijava seus peitinhos de ninfeta, eles eram branquinhos e as auréolas dos seus seios eram deliciosamente rosadas. Os biquinhos estavam rijos e se arrepiavam cada vez que eu passava a língua por eles. Suas mãos seguravam e acariciavam minha cabeça, nesta caricia vi seus ralos pelinhos dourados em seus braços e os lambi pensando na sua bucetinha.

Em seguida beijei toda a sua barriga, desci ate suas pernas e me deliciei com suas pernas grossinhas, na medida certa. Fui passando a língua pela parte interna de suas coxas e cheguei no montinho que formava na sua calcinha. Não agüentei mais e, com as mãos tremendo ,segurei a lateral da sua ultima peça de roupa e lentamente fui a tirando com os olhos fixos no que viria a seguir: outra decepção?

Meus olhos se encheram quando pude ver o belo desenho dos pelos de sua bucetinha bem aparados e completamente loirinhos. Eram poucos e estavam rente a bucetinhas, mas sim! Eles eram loiros. Sua bucetinha era loirinha! Finalmente! Em um desejo incontrolável passei a lamber toda a sua vagina como um louco, parecia que era a primeira vez que via uma bucetinha.

Ela gemia de prazer e suas mãos se entrelaçavam entre os meus cabelos. Eu lambia e brincava com os lábios rosados que eram salientes, os chupava e mordia. Passeava  por toda a extensão da bucetinha e às vezes penetrava com a língua fazendo movimentos circulares dentro dela. Quando tirava um fiozinho de saliva e do seu tesão se formava. Meu pau latejava de tesão. Descia a língua até seu cuzinho e me deliciava com aquele botãozinho rosado, com preguinhas e rodeado de pequenos pelos loirinhos, muito ralinhos, mas que o deixavam mais apetitoso.

Com um erguer de quadris e um gemido ele gozou molhando ainda mais sua bucetinha e me deixando louco.

- Me come, mete seu pau dentro de mim. - Implorou minha loira

Adoro quando uma mulher pede para que eu a coma. Com o pau pulsando, e mais duro que nunca ,coloquei a cabeça na sua bucetinha. Passei a glande sobre seus pelos loiros, pelos lábios vaginais e o engatei entre eles. Bem devagarzinho, fui forçando e vendo-o sumir para dentro dela. Curtindo cada instante, achei o máximo quando meus pelos pretos se misturaram aos seus loirinhos. Forcei ainda mais, tinha vontade de entrar inteiro dentro dela. Tirei devagar e enfiei um pouco mais rápido, tirei devagar novamente e enfiei mais rápido de novo, logo, estava arremetendo com força e muito rápido Nos dois estávamos com a respiração acelerada e eu a fodia com vontade.

Ela gozou novamente gritando alto e enchi sua bucetinha com minha porra enquanto suas paredes vaginais ainda se contraiam mastigando o meu pau. Deitei ao seu lado, virado de frente apara ela enquanto fazia carinhos e passava a mão pela sua bucetinha loira. Finalmente a tinha encontrado. Meu pau endurecia de novo e percebi que aquela tarde de foda maravilhosa iria longe. Afinal eu demorara anos para encontrar minha menina com os pelos pubianos dourados...

Obs.: Se você mulher que estiver lendo este conto tiver uma bucetinha com pelos loiros, peço-lhe, por favor, que me envie uma foto dela no meu email. Vou ficar muito agradecido e gozar muito pensando em chupá-la toda.... LucianoContos@hotmail.com

Conto erótico por Luciano

3 comentários:

Anonymous disse...

Ate eu tinha vontade de chupar uma bucetinha assim.tem mais alguma historia sobre ela?

cinho disse...

fiquei com água na boca,de vontade de chupa uma bucetinha assim .....

contos do roger disse...

muito bom o conto. parabéns!

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget