Gaúcha Gostosa

Eu tenho que reconhecer que meu fraco são as mulheres, não bebo, não fumo, etc., porém sou completamente louco por mulheres. A historia que relato ocorreu há alguns anos na cidade de Gaspar em Santa Catarina. Na época, por motivos profissionais tinha que viajar muito, chegando a passar 15 dias fora de casa. Eu esta visitando um importante cliente em Gaspar, e enquanto esperava para falar com o responsável pela área de informática e como gosto muito de conversar acabei batendo um bom papo com uma operadora de computador que trabalhava na empresa que estava visitando, falei a ela que iria passar a noite na cidade, porém sem maiores intenções.

Qual não foi minha surpresa quando ao sair da reunião encontrei a Marisa me aguardando, ela me passou um papel com seu telefone e disse para eu ligar se tivesse vontade. Apesar de passar grande parte do tempo viajando nunca tinha traído minha esposa, ao chegar ao hotel não sabia se ligava ou não. Acabei ligando. Marcamos de nos encontrar na casa de seus pais. Ao chegar, me deparei com uma deusa loura de 1,7O completamente irresistível. Fomos para um barzinho no centro de Blumenau, cidade que fica próxima, onde tem música ao vivo e uma deliciosa panqueca. Após ouvirmos uma boa música e jantar, decidimos voltar a Gaspar.

No caminho de volta ainda não tinha rolado nada, muito mais por inibição minha que por qualquer outro motivo. Ao passar em frente a um motel na rodovia que liga as duas cidades, liguei a seta indicando que iria entrar, mas eu juro que apenas por brincadeira, ao perceber que eu não iria entrar realmente, Marisa perguntou porque eu desisti, eu lhe falei que não havia desistido, e que tinha sido apenas uma brincadeira, ela falou que no próximo era para eu realmente entrar.

Completamente atordoado pela proposta, ao ver o próximo motel entrei e parei na portaria. Perguntei à Marisa se estava falando sério e ela disse com a maior simplicidade: É claro que estou! Pedi uma suíte e fomos para lá... Ao entrarmos rolou o primeiro beijo da noite, que quebrou qualquer inibição minha. Comecei a beijar suas orelhas, mordiscando seu pescoço e passando minhas mãos pelo seu corpo maravilhoso. Ela me falou que tinha me convidado para sair por gostar da minha conversa e etc. e que não tinha nenhuma intenção prévia de dormir comigo, porém o fato de eu não ter tentado cantá-la durante toda a noite acabou atraindo-a.

Eu sem saber e graças a minha timidez havia seduzido uma deusa loura, digna de uma capa de revista, pelo menos em minha humilde opinião. Quem conhece as mulheres da região sul do pais sabe que não estou mentido. Esta deusa começou a tirar a minha camisa, e eu sem perder tempo pois qualquer traço de timidez já estava superado comecei a tirar também carinhosamente suas roupas, primeiro a blusa, depois a mini-saia e finalmente as peças intimas. Ao vê-la completamente nua tive a exata noção do que deve ser o paraíso.

Comecei a beijá-la, arrastando-a para a cama. Deixando-a deitada, desci passando a língua de forma suave pelo meio de seus seios, direto ate seus pêlos púbicos, então desviei para sua perna direita, descendo para os pés, nos quais dediquei várias carícias. Então retornei lambendo e acariciando a parte interna de suas coxas. Ao chegar próximo a sua buceta, com os pêlos deliciosamente sedosos e percebendo que já exalava um odor maravilhoso, desviei para a outra perna, descendo novamente ao pé, desta vez o esquerdo e voltando a subir pelo interior da coxa.

Ao me aproximar novamente de sua linda buceta, Marisa baixou suas mãos e agarrou meu cabelo, tentando me conduzir a sua linda e cheirosa buceta, que eu já podia ver brilhar de tão molhada. Resisti e voltei a subir, procurando agora seus seios, e passando a língua em volta dos mamilos sem tocá-los, eles ficavam cada vez mais duros e rosados, uma verdadeira loucura. Marisa gemia a cada passada da língua, pedindo para eu chupar e engolir seus seios pois não agüentava mais de tanto tesão.

O que eu realmente gosto de fazer é ver uma mulher gemer de prazer e gozo, voltei a beijá-la na boca que era um tesão, deixando meu pau bater entre suas coxas, ela suspirou e pediu: Vem, vem que não agüento mais... E fui no tradicional papai mamãe, eu senti meu pau roçar na entrada de sua deliciosa buceta e pedi a Marisa ajudar a colocar. Apontado para o lugar certo, ela baixou sua mão direita e agarrou meu pau, eu confesso que quase gozei, só com aquela gata segurando com uma mão macia como veludo.

Quando adolescente, de tanto assistir filme pornô, tinha complexo de ter o pau pequeno, depois descobri que era plenamente normal, tem seus 18 cm porém e de um calibre grosso e levemente torto para a esquerda, o que descobri ser uma ótima vantagem sexual, pois segundo as poucas mulheres que tive em minha adolescência, isso lhes dava um prazer diferente e mais intenso, pois sentiam a cabeça de meu pau roçar no interior de suas vaginas.

Mas continuando com a Marisa, ela apontou meu pau para a entrada de sua buceta e pediu para colocar devagar. Nem precisava pedir, pois eu adoro sentir a buceta de uma mulher sendo aberta aos poucos, fico louco quando sinto a cabeça passar pelos pequenos lábios e vou ao delírio quando sinto meus pêlos roçarem nos pêlos da mulher. Após penetrá-la completamente e degustar cada centímetro desta penetração, iniciei um suave movimento de vai e vem e ao mesmo tempo ia mordendo suavemente o pescoço da Marisa, ela ergueu suas pernas e as trancou nas minhas costas, me empurrando ainda mais para dentro.

Eu levantei meu peito e fiquei sentado sobre meus calcanhares na cama, sem tirar meu pau de dentro da Marisa, nesta posição eu podia observá-la e ver o meu pau dentro de sua buceta, uma loucura. Peguei-a pelos braços e a puxei para mim, nesta posição ela começou a mexer loucamente, eu falei a ela para ter calma pois eu estava louco de tesão e poderia gozar logo. Ela falou: Não tem problema, goza que eu vou gozar! E continuou mexendo e intensificando os gemidos. Eu fico alucinado com gemidos de mulher, quando ela gritou que estava começando a gozar eu não agüentei mais e gozei com uma intensidade que nunca tinha conseguido antes, totalmente dentro de sua buceta.

Caímos para o lado e, semimortos, ficamos descansando alguns momentos. Após esta transa alucinante, não precisa dizer que meu pau estava pedido água. Após ficarmos conversando durante alguns minutos ela começou a se esfregar em mim e o tesão voltou a crescer. Corri ao banheiro do motel e na pia mesmo dei uma lavada no pau já meio duro. Voltei para a cama e vi aquele tesão de mulher me esperando, ela falou: Deite que agora eu vou dar o troco...

Deitei na cama e ela veio me lambendo todo, fiquei louco quando ela agarrou meu pau e pôs em sua boca e começou a chupar. Eu simplesmente fui ao céu e falei a ela: Vai com calma que assim você me mata..Ela respondeu que iria mostrar porque as gaúchas eram conhecidas como especialistas em chupar um pau, fama que eu desconhecia, e tenho que admitir, não sei se todas são especialistas, mas Marisa me deu uma chupada simplesmente inesquecível. Era uma chupada macia, gostosa eu sentia sua boca acariciando meu pau e não simplesmente chupando, fiquei louco e quase gozei na sua boca, então consegui alcançar uma perna sua e a puxei fazendo seu corpo girar. Fizemos um 69 digno de um filme.

Como era cheirosa e doce a sua bucetinha, eu estava me embriagando com ela. Quando ela sentiu que estava em ponto de bala largou meu pau e deitou-se na cama ao meu lado com a sua bunda escultural para cima e me pediu com uma voz irresistível, com se eu pudesse resistir a tal apelo, Vem, come minha buceta por traz que eu adoro. A visão desta mulher de quatro em uma cama com sua buceta aberta me esperando foi incrível, e tenho que confessar, fui egoísta, meti sem do nem piedade. Eu a segurei pelos ombros e empurrava meu pau totalmente na sua buceta, a seguir me afastei um pouco e comecei a massagear seu cuzinho que piscava a cada metida com o meu dedo polegar

Me deitei sobre ela e pedi no seu ouvido se podia comer seu cuzinho pois eu nunca tinha feito isto e estava louco para tentar, ela falou que estava com um tesão enorme de me sentir no seu rabinho, porém achava que eu iria machucá-la. Como não sou de forçar nenhuma mulher a nada, continuei comendo sua buceta que por si só era um regalo dos deuses, fui aumentando os movimentos e a Marisa intensificando os gemidos e pedindo para eu meter tudo.

Não agüentei mais e gozei de uma forma sublime e penso que a Marisa também, simplesmente cai sobre ela, ainda com meu pau dentro dela e acabamos pegando no sono acabados e exauridos. Acordamos no dia seguinte, eu a deixei em casa, após muitas despedidas, porém fui sincero com ela, não a iria procurar mais, pois era casado e sentia que se a encontrasse novamente isso iria afetar meu casamento.

Ao sair de sua casa, joguei fora o papel com seu telefone, pois se o guardasse sei que não iria resistir a tentação. Após a Marisa, tive outras aventuras extraconjugais com outras mulheres também incríveis, porém ate hoje nenhuma igual a Marisa. Hoje estou morando no Rio de Janeiro e viajo todas semanas para a região de Juiz de Fora em Minas. Porém eventualmente ainda vou a Santa Catarina.

Conto erótico recebido por email – by Barney

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget